Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore
curiosidades rede meionorte blogs notícias entretenimento esportes cidades carros

Inep inicia votação para definir novas datas do Enem 2020

Candidatos terão até 30 de junho para escolherem uma das três opções disponíveis; duas datas são para provas em 2021.

Compartilhe

A enquete sobre a escolha das datas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2020 foi aberta neste sábado (20), às 10h, segundo o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), responsável pela prova. No entanto, estudantes relataram problemas para encontrar a página de votação após o horário em que ela já deveria estar disponível.  As informações são do G1.

Os candidatos terão até 30 de junho para escolher uma das três opções de datas: a primeira prevê provas em dezembro deste ano e janeiro de 2021; a segunda opção traz provas em janeiro de 2021; a terceira, provas em maio de 2021.

Opções para datas do Enem 2020

Enem impresso 

6 e 13 de dezembro de 2020 

10 e 17 de janeiro de 2021 

2 e 9 de maio de 2021 

Enem digital

10 e 17 de janeiro de 2021 

24 e 31 de janeiro de 2021 

16 e 23 de maio de 2021 

Nesta edição, o Inep também fará provas em computadores para aqueles que escolheram esta opção no momento da inscrição. A medida faz parte de um projeto-piloto que pretende tornar o Enem totalmente digital até 2026.

Como votar na enquete do Enem

O Inep informa que os candidatos regularmente inscritos no Enem 2020 deverão acessar a Página do Participante (http://enem.inep.gov.br/) e utilizar CPF e senha cadastrados no portal único do Governo Federal (gov.br).

Depois, é só escolher a data de preferência. A votação segue até 30 de junho. Ainda não há previsão de quando os resultados serão divulgados.

Problemas para encontrar a enquete

Estudantes de diversas partes do Brasil publicaram comentários em suas redes sociais neste sábado relatando dificuldades para acessar a enquete com a escolha das datas para o Enem 2020.

Segundo o Inep, a enquete estaria aberta a partir das 10h deste sábado, mas após o horário anunciado, o sistema continuava sem apresentar as opções da enquete para os candidatos participarem.

'Campanha' por data

Alguns candidatos estão ansiosos sobre a futura data do Enem, que pode coincidir com outros processos seletivos aguardados por eles ou, ainda, dificultar o acesso a programas do governo.

Por isso, há mobilizações de grupos de estudantes em torno de uma ou outra data – erros anteriores na gestão do Enem e históricos recentes do Ministério da Educação são usados como argumentos.

Questionado sobre a escolha e critérios na sugestão das datas, o Inep não respondeu.

A nota do Enem é critério de acesso a vagas em universidades públicas por meio do Sistema de Seleção Unificada (Sisu). Há universidades privadas que também usam o Enem como vestibular, ou parte do processo seletivo. O desempenho no exame é critério de seleção para programas de acesso ao ensino superior, como Programa Universidade para Todos (Prouni ) e do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies).

Enem sem data definida

A prova estava marcada inicialmente para novembro, mas foi suspensa após pressão da sociedade e de entidades, devido à pandemia do novo coronavírus – com as escolas fechadas em todos os estados, havia receio de que os estudantes não conseguiriam se preparar a tempo.


  • Estudantes, pais e professores narram 'apagão' do ensino público na pandemia; em 7 estados e no DF, atividade remota não vai contar para o ano letivo

A suspensão da data do Enem ocorreu depois que o governo federal enfrentou questionamentos judicias cobrando o adiamento por causa dos efeitos da pandemia da Covid-19, que levaram escolas a suspender as aulas presenciais.

O debate sobre o adiamento da prova chegou ao Congresso: o Senado aprovou projeto que adiava o Enem, e o texto seguiu para avaliação da Câmara dos Deputados. Para não perder o embate político, o MEC suspendeu a data antes que o tema chegasse à Câmara.

Segundo o governo, 6,1 milhões de pessoas se inscreveram no Enem 2020. Destas, 4,8 milhões são de participantes que não precisaram pagar a taxa porque obtiveram isenção. Até a manhã deste sábado, o governo ainda não havia divulgado quantos candidatos estão confirmados após o fim do encerramento do pagamento das inscrições.

Enem 2021

Um ofício do Ministério da Educação enviado ao Ministério da Economia, em 4 de maio, alertou que o Enem 2021 poderia ser suspenso devido à falta de recursos.

Segundo o texto, assinado por Weintraub, os limites disponibilizados para despesas discricionárias – que não são obrigatórias e incluem os custeios de políticas educacionais – foram estabelecidos na ordem de R$ 18.780,1 bilhões para o próximo ano. Já para este ano, foram programados R$ 22.967,8 bilhões.

No ofício, o MEC aponta que, caso os R$ 18 milhões sejam mantidos no Projeto de Lei Orçamentária de 2021, “deixarão sem cobertura orçamentária diversas demandas essenciais à área da educação, com repercussões negativas em toda a sociedade, além de comprometer o alcance de metas relevantes para as políticas educacionais do Governo”.

De acordo com o documento, entre essas demandas estão a execução do Enem 2021, além de um possível fechamento de cursos, campi e até instituições.

Weintraub deixa o Ministério da Educação

O ministro da Educação, Abraham Weintraub, anunciou nesta quinta-feira (18) que deixará o cargo. A informação foi dada em um vídeo publicado pelo próprio Weintraub, em que o ministro aparece ao lado do presidente Jair Bolsonaro e lê um texto de despedida. O nome do substituto não havia sido foi informado até a manhã deste sábado.

A gestão de Weintraub durou 14 meses, após a saída do então ministro Ricardo Vélez Rodríguez.

Neste período, a gestão de Weintaub foi marcada por polêmicas e críticas. A mais recente foi a revogação da portaria sobre ações de inclusão na pós-graduação, voltada a negros, indígenas e pessoas com deficiência.

No vídeo da reunião ministerial de 22 de abril, Weintraub afirma que odeia os termos "povos indígenas" e "povo cigano". Na mesma ocasião, Weintraub diz que "eu, por mim, botava esses vagabundos todos na cadeia, começando no STF", referindo-se aos ministros do Supremo Tribunal Federal.


Tópicos
Compartilhe
Não venda minhas informações pessoais

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Podcast

Selecione seus podcasts

atualizar