A China proibiu embarques de mais de 100 exportadores de alimentos taiwaneses em um aparente esforço para impor pressão econômica a uma indústria-chave antes da possível visita da presidente da Câmara dos EUA, Nancy Pelosi. 

A Administração Geral de Alfândegas da China impôs a proibição na segunda-feira, de acordo com o jornal local United Daily News, que disse que os produtos afetados incluem frutos do mar, chá e mel. O problema eram informações desatualizadas nas documentações de importação, informou o Apple Daily, com sede em Taipei, acrescentando que a Administração de Alimentos e Medicamentos de Taiwan estava tentando entender mais sobre o problema.  

Alfândega da China (Foto: reprodução)Alfândega da China (Foto: reprodução)

A proibição chinesa é a mais recente de uma série de medidas tomadas por Pequim que visam a indústria agrícola de Taiwan. Muitas das regiões produtoras de frutas do sul de Taiwan são tipicamente bastiões de apoio político ao Partido Democrático Progressista da presidente Tsai Ing-wen, que defende a independência formal de Taiwan. O Partido Comunista da China reivindica Taiwan como parte de seu território, apesar de nunca ter controlado a ilha.  

A China pegou Taiwan desprevenida quando derrubou uma proibição repentina das importações de abacaxi da ilha no ano passado. Pequim seguiu proibindo as importações de maçãs de cera e maçãs de açúcar em setembro. Enquanto a maioria das frutas produzidas em Taiwan é consumida internamente, a grande maioria das exportações vai para a China.  

A proibição mais recente ocorre quando Pelosi deve desembarcar em Taiwan na noite de terça-feira, de acordo com pessoas familiarizadas com seus planos. A visita suscitou duras advertências de autoridades chinesas que prometeram “graves consequências” caso Pelosi chegue a Taipei.