Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore
curiosidades rede meionorte blogs notícias entretenimento esportes cidades carros

Maranhão é referência em atividades escolares não presenciais

Carlota Boto, referência em estudos da educação no país, destacou que a experiência do Maranhão deve ser tomada como exemplo pelos educadores

Maranhão é referência em atividades escolares não presenciais
Aulas à distância | Divulgação
Compartilhe

As medidas adotadas pelo Estado do Maranhão no âmbito da educação para aprendizagem dos estudantes, em casa, durante o isolamento social de prevenção ao Covid-19, foram destaque em Live com professoras doutoras de universidades brasileiras referências em Ciências da Educação.     

Com o tema “Educação em tempos de isolamento: Como lidar com este fato?”, participaram do Live organizada por Marcelo Parra, da Faculdade de Educação da USP (FEUSP); a professora Dra. Carlota Boto (USP); a professora Dra. Maria Luisa Furlan Costa, da Universidade Estadual de Maringá (UEM), e o secretário de Estado da Educação, Felipe Costa Camarão. 

Carlota Boto, referência em estudos da educação no país, destacou que a experiência do Maranhão deve ser tomada como exemplo pelos educadores uma vez que possibilita o atendimento de todos os alunos nesse momento de pandemia. “A experiência rica do Maranhão demonstra que é possível utilizar esse momento, criando nessa crise a oportunidade para fazer coisas bonitas, utilizando várias ferramentas e disponíveis possíveis para que todos os alunos sejam contemplados”, destacou.

“O Maranhão tem feito isso, nem um aluno a menos, atendimento de todos. Espero que novos educadores aprendam com essa experiência e façam isso, interpretem o tempo e façam dele uma oportunidade”, elogiou a cientista. 

O secretário Felipe Camarão enumerou as ferramentas e instrumentos pedagógicos não presenciais orientados pela Seduc para as escolas e professores maranhenses, que puderem optar conforme sua realidade. “Após a edição do Decreto Estadual de suspensão das aulas, reunimos os diversos órgãos e construímos uma resolução do Conselho Estadual de Educação e uma portaria regulamentando essas atividades”, pontuou.

“Adotamos um conjunto de instrumentos pedagógicos não presenciais, que não é EAD, para dar oportunidade aos nossos alunos de desenvolverem suas atividades nesse momento de pandemia. E aí vieram as videoaulas na TV e aulas no rádio, ambos canais públicos, também transformadas em podcasts e disponíveis em canais virtuais”, detalhou Camarão.

O secretário de Educação acrescentando que o material irá para a biblioteca do Unicef, que irá disponibilizar a países como Moçambique e Guiné.

Camarão ressaltou ainda: “Os professores e escolas têm liberdade de usarem outras ferramentas, das redes sociais, por exemplo. Mas o nosso diferencial é que tudo isso precisa ter monitoramento e avaliação, com planejamento, ciência e método. Definimos que a escola que tivesse acesso pode contar como carga horária, e quem não tiver acesso deve justificar à regional para posterior adequação do calendário pela Seduc”. 

“É um aconchego na alma ouvir que o Maranhão está fazendo diferente do restante do país inteiro. Ouvir a experiência do Maranhão hoje é importante, e ver o que podemos fazer para melhorar a educação”, revelou a professora da Universidade de Maringá, Maria Luísa, referência em EAD no Brasil.

“Nós da educação precisamos encontrar alternativas assim, para aproximar alunos e professores. Precisamos lutar pela manutenção do isolamento social para conter esse vírus”, concluiu Maria Luisa.



Tópicos
Compartilhe
Não venda minhas informações pessoais

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Podcast

Selecione seus podcasts

atualizar