Moto aquática atropela prancha de adolescente e colide com barco

Veículo era conduzido por um rapaz sem habilitação

Uma moto aquática atingiu uma prancha de stand up e colidiu com uma lancha em Guarujá, no litoral de São Paulo, no domingo (25). O acidente ocorreu na praia da Enseada e, segundo testemunhas, o veículo estava em alta velocidade e era conduzido por um rapaz sem habilitação. Bombeiros, polícia e marinha atenderam a ocorrência.

Quatro lanchas estavam enfileiradas em uma região costeira conhecida como Canto do Tortuga quando ocorreu a colisão. "Um casal na moto aquática passou por nós muito rápido e vimos eles perdendo o controle da direção", informou a publicitária Vera Lúcia Costa, de 62 anos, que estava a bordo da lancha atingida.

No entorno dos barcos, que reuniam cerca de 30 pessoas, havia crianças e adolescentes no mar. Um deles era o filho de 12 anos da empresária Ketty Mira Marques, de 38 anos. "Ele havia acabado de sair da prancha [de stand up], quando a moto aquática passou por cima dela e bateu na nossa lancha. Meu filho mergulhou para não ser atingido".

Logo em seguida, ainda segundo relato das testemunhas, o casal na embarcação tentou fugir. "Nós puxamos meu filho para dentro da lancha. Ele não se machucou, mas engoliu um pouco de água", afirmou a empresária. Um marinheiro foi atrás dos dois e conseguiu levá-los de volta aos barcos para aguardar as autoridades.

Ketty conta que os dois foram colocados a bordo da lancha deles. "O rapaz admitiu que havia bebido um pouco antes e que não tinha habilitação, e que havia alugado a moto aquática. O pagamento, segundo ele, foi feito em dinheiro, mas não informou o valor", disse. Bombeiros, polícia e marinha tinham sido acionados.

Enquanto eles aguardavam, uma mulher que se apresentou como dona da moto aquática foi até o grupo em um bote. "Ela queria levá-lo. Chegou com um capanga para nos ameaçar e nós não deixamos. Ela ainda disse que o moleque, que alugou, havia roubado o veículo", contou o empresário Enídio Costa, de 65 anos, também a bordo do barco.

Equipes do Grupamento Marítimo do Corpo de Bombeiros (GBMar) chegaram em seguida. "Fomos prestar apoio, já que o caso é de responsabilidade da Capitania dos Portos. Não houve feridos. A informação era de que a moto aquática passou pela prancha, atingiu a lancha e o rapaz tentou fugir", disse a tenente Carolina Oliveira Akamine.

"O mais absurdo foi a gente esperar a Capitania por mais de uma hora e meia. Eles [os peritos] chegaram de carro, não estavam de barco. Já tinha que ter alguém da Marinha lá, já que todo fim de semana a movimentação é grande. O que será que estão esperando acontecer?", desabafou a mãe do adolescente quase atingido pelo veículo.

A moto aquática foi apreendida para perícia da autoridade marítima e o condutor foi autuado.  A Capitania dos Portos de São Paulo (CPSP) ainda não se pronunciou sobre o incidente. As polícias Militar e Civil informaram que ninguém foi detido nesta ocorrência.


Image title

Image title

Image title

Fonte: Com informações do G1
logomarca do portal meionorte..com