Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore
curiosidades rede meionorte blogs notícias entretenimento esportes cidades carros

Motoristas de app devolveram 160 mil carros por queda no serviço

Pandemia do coronavírus afetou todos os segmentos do setor.

Compartilhe

Os aluguéis de veículos despencaram no Brasil com o avanço da pandemia do coronavírus. Só entre os 200 mil carros alugados para motoristas de aplicativos, aproximadamente 160 mil já foram devolvidos desde o início da quarentena, há 2 meses. As informações são do G1.

A justificativa é que a redução da procura pelo transporte gera uma dificuldade para que profissionais arquem com os custos dos aluguéis. Nesta sexta-feira (15), o presidente Jair Bolsonaro negou a ampliação do auxílio emergencial de R$ 600 para esses profissionais.

A Associação Brasileira das Locadoras de Automóveis (Abla) afirma que "há um movimento das locadoras para auxiliar a retomada desses profissionais do volante entre seus principais clientes de aluguel de automóveis", como descontos para os trabalhadores de apps.

Até o começo do ano, as locadoras eram o destino de uma parte considerável das vendas diretas que veículos, aquelas feitas sem o intermédio de lojas, e que estavam ganhando cada vez mais espaço no 'bolo" total.

Esse crescimento estava sendo puxado tanto por aluguéis como pela revenda dos veículos usados dessas empresas. No caso dos aluguéis, o "boom" dos aplicativos ajudou a turbiná-los. Ao todo, hoje as locadoras têm 997.416 veículos emplacados distribuídos entre motoristas de aplicativos, frotas de empresas e o público em geral, diz a Abla.

Com a pandemia, todos os segmentos de aluguéis tiveram baixa, segundo a associação. Entre as locações diárias, que podem ser feitas por qualquer pessoa, a queda é de 90%. A locadoras têm 480 mil veículos destinados para esta modalidade, mas 430 mil estão parados.

O menor impacto foi sentido entre os contratos mensais, como os chamados "carros por assinatura' (aluguéis por prazos mais longos de veículos zero quilômetro, comprados direto das montadoras pelas locadoras) e os de terceirização (alugados para frotas de empresas). Neste caso, a redução foi de 20%, mas as locadoras têm sofrido com inadimplência e pedidos de renegociação por parte dos clientes. A associação não disse quantos pedidos foram feitos.

Aluguel como serviço essencial

Considerado serviço essencial pelo governo federal, o aluguel de veículos não recebe a mesma classificação na maioria dos estados brasileiros, segundo a Abla. Apenas 5 seguem a recomendação: Distrito Federal, Espírito Santo, Santa Catarina, São Paulo e Sergipe.

Para o presidente da associação das locadoras, Paulo Miguel Jr., a permissão para um funcionamento mesmo que parcial poderia amenizar a situação do setor.

Ele atenta para a possibilidade do atendimento de atividades essenciais, como hospitais, laboratórios e poderes públicos, pelos carros das locadoras - que precisam manter a manutenção em dia.

"As pessoas que ainda necessitam circular e que tenham condições podem alugar carros para fazer o deslocamento, para evitar a contaminação", justificou Paulo Miguel, dizendo ainda que esse tipo de serviço não gera aglomeração.

Ele também se queixou da falta de ajuda do governo federal para as empresas do setor, ao contrário de outros países no mundo. "Ninguém consegue os financiamentos a taxas aceitáveis para manter a operação", disse, sobre medidas anunciadas pelo governo federal.

Para a sobrevivência dos aluguéis, as locadoras têm como hábito a transferência de parte de suas frotas entre estados e municípios de acordo com aumento ou queda sazonais da demanda pelo serviço.

Risco de desemprego

O presidente da Abla afirmou que, até o momento, as locadoras têm conseguido administrar a crise com medidas do governo, como a postergação de tributos e a suspensão de contratos de trabalho.

Até o final de 2019, o setor empregava 75.104 pessoas em 10.812 empresas. Ainda não há dados sobre quantos trabalhadores foram dispensados ou afetados por medidas trabalhistas.

"O que a gente vai ter, efetivamente, daqui para frente, é um desemprego generalizado no setor", disse Paulo Miguel Jr, apontando para a falta de caixa das empresas para manter a estrutura sem o funcionamento das atividades.

Ainda é cedo para medir o impacto e fazer previsões sobre questões financeiras, mas o executivo afirmou que, em meados de abril, o faturamento do setor pode ter caído entre 70 e 80%.

Com isso, deverá aumentar é a idade média da frota, dos atuais 14,9 meses para 18 a 20 meses, já até o final de 2020.


Tópicos
Compartilhe
Não venda minhas informações pessoais

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Podcast

Selecione seus podcasts

atualizar