"Ninguém percebe", diz jovem que só tem metade do cérebro

Por ter convulsões frequentes, médicos retiraram metade do cérebro

Quando tinha apenas três anos, a americana Jodie Graves começou a ter convulsões com tanta frequência que os médicos sugeriram retirar metade de seu cérebro.

Jodie havia sido diagnosticada com uma doença rara, a Encefalite de Rasmussen, caracterizada pela inflamação crônica em um dos lados do órgão.

A recomendação surpreendeu a família, que acabou optando por seguir, não sem alta dose de ceticismo, a orientação dos especialistas.

"Tenho metade do cérebro. Quando as pessoas me conhecem, não têm a menor ideia", diz Jodie à BBC".

Ela conta que tudo começou quando um dia desmaiou no jardim de infância.

"Só consigo me lembrar da minha primeira convulsão. Estava brincando no jardim de infância e a próxima coisa de que eu me lembro foi estar dentro de uma ambulância", lembra.

A mãe de Jodie, Lynn, conta que a família decidiu "voar para o hospital".

"Permanecemos lá durante todo o dia. No dia seguinte, Jodie teve uma nova convulsão, mas nada do que os médicos faziam estava dando certo", diz.

Mulher tem 'meio cérebro' para superar doença
Mulher tem 'meio cérebro' para superar doença


Convulsões frequentes

A partir de então, Jodie começou a ter convulsões repetidamente.

"Ela estava constantemente caindo para o lado esquerdo e chegou a um ponto tão crítico que um de nós tinha de estar sempre ao lado esquerdo dela", acrescenta Lynn.

Jodie lembra que as convulsões aconteciam "a cada três minutos".

"Não era legal", resume.

Segundo Lynn, os médicos explicaram à família que "a única maneira de tratá-la seria remover a metade do cérebro de Jodie que estava afetada".

Eles esperavam que, ao retirar o lado direito do cérebro de Jodie, as funções cerebrais seriam compensadas pelo lado esquerdo.

"Na primeira infância, o cérebro está em um de seus estados mais plásticos. Sendo assim, se você alterá-lo nesse momento, talvez haja uma maior capacidade para o órgão reorganizar suas funções", explica Amy Bastian, professora de Neurociência e Neurologia na Escola de Medicina da Universidade Johns Hopkins, em Maryland, uma das mais prestigiadas dos Estados Unidos.

Jodie tinha três anos quando foi submetida à cirurgia. A operação foi um sucesso e as convulsões acabaram.

Os médicos também ficaram surpresos ao perceber que as funções cerebrais dela se reativaram antes mesmo do fim do procedimento.

O único efeito adverso da operação foi que Jodie ficou com parte da mobilidade do lado esquerdo prejudicada: ela tem movimentos restritos no braço e manca.


Otimismo

"Sou uma pessoa muito otimista e várias vezes brinco que eles tiraram o lado malvado do meu cérebro e só deixaram o feliz", brinca ela.

"Se você me perguntasse 25 anos atrás se seria possível remover metade do cérebro e continuar vivendo, eu diria: 'Você está maluco'", diz a mãe de Jodie.

"Mas aqui estamos nós", completa Lynn.

Para Jodie, a vida sem metade do cérebro não é "diferente da dos outros".

"Estou casada há quatro anos e levo uma vida independente, ao lado de meu marido", diz.

"Fico muito feliz de que meus pais fizeram o que fizeram, pois nunca estaria onde estou hoje se tivesse feito a cirurgia depois ou tivesse esperado mais", conclui.

Fonte: G1
logomarca do portal meionorte..com