Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore
curiosidades rede meionorte blogs notícias entretenimento esportes cidades carros

PF apreende R$ 100 mil e joias em casa de desembargadora presa na BA

A magistrada foi presa ontem durante a segunda fase da Operação Faroeste, que investiga um suposto esquema de venda de decisões judiciais

Compartilhe

Agentes da PF (Polícia Federal) encontraram cerca de R$ 100 mil em espécie, além de joias e obras de arte no apartamento da desembargadora do TJ-BA (Tribunal de Justiça da Bahia) Maria do Socorro Santiago. Ex-presidente da corte estadual, a magistrada foi presa ontem durante a segunda fase da Operação Faroeste, que investiga um suposto esquema de venda de decisões judiciais. As informações são do UOL.
Maria do Socorro Santiago, ex-presidente do TJ-BA Imagem: Divulgação/Ascom/TJ-BAA busca e apreensão feita pela Polícia Federal encontrou quase R$ 100 mil em espécie no guarda-roupas de Maria do Socorro. Eram R$ 56 mil, 9 mil euros (R$ 42 mil) e US$ 200 (R$ 847). Também foi apreendido um "grande estojo do tipo mostruário com adornos femininos, contendo colares, anéis, relógios, brincos".

Havia três relógios que estampavam a marca Rolex. E um colar de ouro tinha "aparente alto valor de mercado", segundo a Procuradoria. Os "inúmeros quadros de artistas baianos e de outras regiões do Brasil" encontrados não foram apreendidos. Alguns ainda estavam embalados.

No gabinete da desembargadora, sete canhotos de cheques indicavam pagamentos aos artistas plásticos Tati Moreno e Sérgio Amorim. O gabinete de Maria do Socorro é decorado com obras de arte, como as de S. Amorim e Bel Borba. A PF ainda apreendeu IPTU de imóveis em locais como Canela, Flamengo, "P. do Forte". Os investigadores não explicam se se trata da cidade gaúcha, do bairro carioca e da praia com condomínios de luxo no litoral norte da Bahia.

“O padrão ostentado pela Desembargadora com muitos adornos aparentando joias, dinheiro em espécie de grande monta, obras de arte, bolsas, etc, é acima do que seria esperado para uma servidora pública".

Segundo o MPF, o operador da magistrada é seu genro e advogado Márcio Duarte. Na quinta-feira, Og Fernandes ordenou a prisão preventiva dele, assim como do secretário do TJ da Bahia, Antônio Roque Nascimento, apontado como operador do tribunal, Gesivaldo Britto. O ministro também converteu em preventiva a prisão temporária do falso cônsul apontado como idealizador do esquema de grilagem, Adailton Maturino, e da esposa dele, Geciane Maturino.

Desembargadora perguntou se dados de celular foram apagados

O Ministério Público diz que a desembargadora tentou destruir provas. Uma ligação telefônica - feita a partir do aparelho de Márcio Duarte, que estava grampeado - flagrou Maria do Socorro perguntando se foram apagadas informações de um celular apreendido pela polícia.

Uma funcionária do gabinete informa que levaram o aparelho. A desembargadora diz que era para não deixar levar. "Levou esse? Era para pegar esse", responde Maria do Socorro, de acordo com a transcrição da interceptação. "Ainda bem que, eu acho, que menino tirou algumas coisas, não foi?", questiona a desembargadora.

"O contato referido foi realizado justamente para tratar da aparente destruição de prova, perquirindo se a Polícia Federal havia apreendido tal aparelho e, como houve resposta positiva, querendo saber se o conteúdo havia sido apagado", anotou o ministro do STJ Og Fernandes, ao ordenar a prisão da magistrada.

Em outra gravação de conversa telefônica, a desembargadora Maria do Socorro liga para a colega Márcia Farias e trata da necessidade de fazer uma reunião. Socorro afirma que o irmão da procuradora-geral de Justiça da Bahia, Ediene Lousado, acompanhava o caso. "E expõe possível limpeza de dados criminosos em aparelho telefônico, numa ambiência que resvala em risco concreto para a normal colheita de provas", relata o Ministério Público.

A simples conversa travada entre Socorro e suas funcionária do tribunal causa problemas. "Como se vê, a desembargadora descumpriu ordem expressa contida na decisão proferida no PB AC n° 10 [número do processo], de não manter contato com os funcionários do TJBA", destacou o ministro Og Fernandes, na ordem de prisão.


Tópicos
Compartilhe

veja também

Não venda minhas informações pessoais

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Podcast

Selecione seus podcasts

atualizar