Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore

Primeira advogada trans recebe carteira da OAB-PI

A advogada vê o recebimento da carteira como a abertura de novas portas para a advocacia do Estado.

Primeira advogada trans recebe carteira da OAB-PI
Advogada Flávia de Sousa | Raíssa Morais
Compartilhe

O Piauí deu mais um passo na luta contra o preconceito. Na noite da quarta-feira (06), a Ordem dos Advogados Seccional Piauí (OAB-PI) entregará a carteira profissional de Flávia de Sousa Cunha, a primeira advogada trans do Estado a receber o documento. A advogada vê o recebimento da carteira como a abertura de novas portas para a advocacia do Estado.

Flávia iniciou o curso de Direito em 2014 e em abril do ano passado prestou o exame da OAB e teve êxito na aprovação. Tendo o seu primeiro contato com a advocacia através da tia e madrinha Edna Viana, também advogada, Flávia conta que desenvolveu admiração pela tia e pelo trabalho, mas o direito ainda não estava no seu radar. "Eu sempre quis ser professora e também tinha uma paixão pelo jornalismo, mas não tive êxito no vestibular. Sete anos depois, voltei a fazer o ENEM e obtive uma pontuação muito boa, e consegui entrar na faculdade de Direito. Hoje já estou formada em Direito", fala a advogada.

Crédito: Raíssa Morais



Ela fala ainda que, mesmo entrando na advocacia, o sonho de lecionar ainda existe. "O magistério ainda está nos meus planos, porque é uma área que se comunica muito bem com a advocacia", comenta.

Flávia atua na área civilista e tem a especialidade em direitos da família. "Atualmente, eu faço parte da Comissão de Direito da Família da OAB e farei pedido para continuar na comissão durante a próxima gestão. Eu já recebi o convite do presidente Celso Barros Neto para presidir a Comissão da Diversidade Sexual, mas no momento eu não tenho pretensão de entrar na presidência", diz Flávia de Sousa Cunha. 

Ela fala ainda que o preconceito não foi um obstáculo durante o trajeto para se tornar advogada. "Essa é uma questão muito frequente, mas ao invés de ter problemas desse tipo, o preconceito quase não existiu. Desde o início, o curso foi receptível. O maior desafio veio da parte do estudo, como toda área que necessita de um estudo mais pesado, mas com foco e convicção todas as barreiras foram superadas", destaca.

Flávia reforça que a pessoa precisa ter foco para alcançar os objetivos e que ficar com medo de lutar pelo que quer por causa de preconceitos não é mais uma opção. "Sonhar com algo e abandonar esse sonho por causa de preconceitos não é algo saudável. Minha dica é deixar o preconceito de lado e focar nos estudos, se esse foco for mantido, os objetivos serão atendidos. E se o preconceito persistir, é uma questão que já pode ser concluída judicialmente", finalizou.


Tópicos
Compartilhe
Não venda minhas informações pessoais

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Podcast

Selecione seus podcasts

atualizar