Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore
curiosidades rede meionorte blogs notícias entretenimento esportes cidades carros

Projeto orienta pessoas com transtorno mental

O projeto foi realizado no Caps III

Compartilhe

O Centro de Atenção Psicossocial (CAPS III), localizado no bairro Três Andares, recebeu o projeto Mente Cidadã: Família, Vulnerabilidade e Saúde Mental”, na quinta-feira (17). O programa tem como objetivo incentivar uma melhor orientação jurídica quanto aos direitos das pessoas com  transtorno mental e também uma  maior  sensibilização  da  Defensoria Pública na participação das ações de transformação social.

O projeto Mente Cidadã proposto pela Defensoria Pública do Estado do Piauí, pretende levar não só o serviço de orientação jurídica social, oferecido pela própria Defensoria, como também articular com outros órgãos do estado e do município levando outros serviços que garantam cidadania à pessoa com transtorno mental. 

José Alves Filho

A defensora pública Patrícia Ferreira Monte Feitosa, diretora de Primeiro Atendimento e titular da 12ª Defensoria Pública de Família, explica que a ideia é realizar ações volantes como essa em todos os postos de atenção à saúde mental. 

“O município já disponibilizou um cronograma para a gente atender até fevereiro do próximo ano. O projeto só tem sido possível pelos parceiros, a Fundação Municipal de Saúde (FMS) e sua coordenação de saúde mental; a Secretaria de Segurança Pública do Piauí (SSP), através dos estudos de identificação; a Secretaria de Saúde do Estado, com serviço de atenção básica, e a parceria com o INSS digital, nos protocolos de assistência social e consultas”, diz. 

O projeto, iniciado no Hospital Areolino de Abreu no dia 25 de setembro e levado ao Centro de Atenção Psicossocial Infantojuvenil (CAPSi) no último dia 7, consiste na orientação jurídica, judicial e extrajudicial, às pessoas com transtorno mental e seus familiares, visando ainda chamar a atenção para a rede de assistência psicossocial, buscando humanizar o atendimento prestado.

“Ele está aberto para qualquer ponto e qualquer outra instituição para a qual os serviços sejam imprescindíveis. Até agora a gente só tem serviço até fevereiro. Mas o sonho da defensoria é que isso seja um fluxo contínuo, com previsão de 12 meses”, afirma Patrícia. 


Tópicos
Compartilhe
Não venda minhas informações pessoais

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Podcast

Selecione seus podcasts

atualizar