Um grupo de cerca de 20 homens encapuzados e armados com fuzis e metralhadoras detonou uma potente bomba usada pelos ex?rcitos dos EUA e de Israel para explodir uma parede e roubar malotes de dinheiro -mais de R$ 10 milh?es- da Protege em S?o Paulo. A empresa ? uma das tr?s maiores em prote??o e transporte de valores no Brasil.

Toda a a??o da quadrilha na empresa durou cinco minutos e ocorreu na madrugada de ontem, por volta das 3h30, na rua Adriano Marchini, 32, ?gua Branca, na zona oeste.

A Pol?cia Militar foi acionada assim que ocorreu a explos?o. Na fuga, dois criminosos foram perseguidos e mortos, segundo a PM, ap?s trocarem tiros e resistirem ? pris?o. No carro onde eles estavam e em outros tr?s ve?culos abandonados pelos assaltantes foram recuperados R$ 5.421.285,00 do dinheiro levado pela quadrilha.

A delegacia contra roubo a bancos do Deic (Departamento de Investiga?es sobre o Crime Organizado) ajuda a procurar o restante dos criminosos, que n?o haviam sido presos at? a conclus?o desta edi??o. O caso foi registrado no 7? Distrito Policial da Lapa.

Oficialmente, a Protege n?o divulgou o total roubado -afirmou que s? far? isso ap?s levantamento. Extra-oficialmente, por?m, policiais afirmaram ? Folha que esse valor foi superior a R$ 10 milh?es.

Por esse valor, o assalto de ontem ? o maior do ano no Estado contra uma empresa de valores. At? ent?o, a maior a??o criminosa do g?nero aconteceu em 7 de agosto, quando dez homens encapuzados levaram R$ 9,8 milh?es da Prossegur, no centro da capital paulista. Na ocasi?o, ningu?m foi preso.

A Pol?cia Civil investiga se a quadrilha que agiu ontem na zona oeste ? a mesma que praticou o assalto no m?s passado no centro de S?o Paulo. O modo de agir nas duas a?es foi parecido, com a utiliza??o de armamento pesado, toucas ninja, roupa da pol?cia, mais de dez integrantes, r?dio comunicadores e o uso de artefatos explosivos para detonar paredes.