Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Acesse a versão para celular

Rede de Apoio à Mulher do TJ discute combate à violência doméstica

Palestra reuniu 22 pastores de igrejas batistas de Teresina.

Compartilhe
Google Whatsapp

Mediante iniciativa do desembargador José James Gomes Pereira, coordenador estadual da Coordenadoria da Mulher em Situação de Violência Doméstica, o juiz auxiliar da Presidência do TJ-PI, Antonio Oliveira; a representante da comissão da Mulher Advogada da OAB-PI, Karla Oliveira; o secretário de Segurança Pública, Fábio Abreu; a delegada Eugênia Villa e as servidoras Cibelle Holanda e Ísis Moura participaram de um sensibilização com 22 pastores de igrejas batistas de diversos bairros de Teresina.

O juiz Antonio Oliveira expôs os objetivos da campanha “Justiça Pela Paz em Casa”, no combate à violência doméstica e chamou a atenção para o ciclo de violência que os casos desencadeiam dentro dos núcleos familiares.

“Quando estado ergue uma politica de combate à violência doméstica, ele não está protegendo apenas a mulher”, explicou o magistrado. “A família também é diretamente atingida quando ocorrem casos dessa natureza. O juizado da Violência Contra a Mulher não está protegendo somente a mulher, mas o resto da família, onde a violência reverbera. Um lar desestruturado vai gerar diversas mazelas”, explicou.

A delegada Eugênia Villa descreveu sua experiência dentro das delegacias, com o testemunho pessoal de casos. A delegada chamou a atenção para o fato de que as mulheres casadas também são estupradas por seus parceiros, o chamado “estupro marital”.

“Pela nossa pesquisa a mulher agredida é casada ou tem relação estável com pessoas da confiança dela”, enfatizou a delegada. “Isso nos faz ver que essas mulheres estão sendo agredidas de surpresa. Diante desse prognóstico, desenvolvemos o aplicativo ‘Salve Maria’, que funciona como um GPS, indicando com precisão o local onde está ocorrendo a violência” explicou.

O secretario Fábio Abreu falou sobre as medidas adotadas pela segurança estadual para coibir os casos de violência doméstica. Abreu também destacou a necessidade dos membros da Igreja Batista saberem diagnosticar e reconhecer casos dessa espécie não apenas no âmbito de suas igrejas mas também nas comunidades em que suas igrejas estejam inseridas. Já a advogada Karla Oliveira, representando a OAB-PI, discorreu sobre o histórico da Lei Maria da Penha e destacou a necessidade de conhecer e saber distinguir os diferentes tipos de violência às quais a mulher é submetida além do tipo física.


Tópicos
Compartilhe
Google Whatsapp
Carregar os comentários (0)

comentários

fechar comentários
Nenhum comentário feito até o momento

veja também

Recomendamos

Localização

Definir a localização padrão

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Termos de uso

Texto

Política de privacidade

Texto