A capital baiana, Salvador, foi o destino nacional mais comprado pelos brasileiros no terceiro trimestre deste ano. Foi o que apontou o boletim da Associação Brasileira das Operadoras de Turismo (Braztoa), divulgado nesta quarta-feira (23.11). A preferência pela cidade é comprovada na alta movimentação que o aeroporto soteropolitano registrou no período, um crescimento de 33% no tráfego de passageiros, em relação ao ano passado.

Na sequência da lista da entidade, os destinos de sol e praia despontaram nas vendas. Entre eles aparecem: Porto de Galinhas (PE), Recife (PE), São Paulo (SP), Maceió (AL), Fortaleza (CE), Natal (RN) e Rio de Janeiro (RJ). Gramado (RS) completa o rol. Com relação aos períodos, quase 1 em cada 4 viagens foram adquiridas para as férias de julho, 1 em cada 10 para os feriados durante o ano e quase 17% para o período de Natal e Reveillon.

“É mais uma demonstração do reaquecimento do turismo nacional e da maior procura por destinos ao ar livre dentro do país, incluindo a preferência histórica pelos segmentos de sol e praia. A retomada das viagens no país reflete o nosso esforço, em parceria com o trade turístico, a partir de uma série de ações que vão desde a promoção da segurança sanitária do turista à estruturação de destinos em todo o país”, destacou o ministro do Turismo, Carlos Brito.

Farol da Barra, em Salvador (Márcio Filho/MTur)Farol da Barra, em Salvador (Márcio Filho/MTur)

O boletim da Braztoa também trouxe o faturamento das operadoras de turismo no terceiro trimestre deste ano. Mais da metade ultrapassou a marca de 100% dos valores faturados no mesmo período de 2021. Quando comparado a 2019, período pré-pandemia, o número de empresas que superaram o valor registrado em 2019, chegou a 36,4%. Além disso, mais de 40% delas acreditam que o setor vai recuperar o faturamento pré-pandemia ainda este ano.

A alta expectativa das operadoras para o faturamento em 2022 também refletiu em um olhar otimista para o ano de 2023. A probabilidade é a de que o montante para o ano que vem seja 50% maior do que o registrado neste ano. O relatório traz ainda tendências para 2023, como a busca por viagens em datas aleatórias e em mais vezes durante o ano, em família, destinos exóticos e a busca por novos destinos nacionais.