Silas destaca que Reforma Trabalhista precisa ser bem estudada

O parlamentar disse que ainda não sabe se vota a favor ou contra

A Câmara começou a votar na manhã de hoje a reforma trabalhista. Sobre a reforma, o deputado Federal Silas Freire (PR) disse que o texto precisa ser bem estudado e acredita que o relatório apresentado pelo deputado Rogério Marinho (PSDB-RN) pode ser mudado com as emendas apresentadas em Plenário. Ele também critica aqueles que são contra apenas por ser contra.

"O certo é que o país precisa de ajustes, não necessariamente reformas. Mas acredito que ninguém pode ser contra por ser contra e apenas por ser da oposição, para eles quanto pior, melhor.", critica Silas que ainda completa: "Há até aqueles que ficam discursando de heróis por ser contra, mas quando exercem seu poder político só empregam apadrinhados políticos, incentivam a terceirização sem critérios, não promovem concurso público e entregam ao chefe político das cidades que os apóiam o poder de empregar, de desempregar, de dizer quantas horas vai trabalhar e o quanto vai ganhar. É muito fácil criticar sem praticar.", avalia o deputado.

Silas explica ainda que é importante não deixar que as mudanças prejudiquem e precarizem o trabalhador como um todo, mas é um momento de se fazer sacrifícios e de se analisar. Ele ainda não decidiu como vai votar e explica seus motivos.

"Eu ainda não decidi se vou votar a favor hoje porque ainda tenho algumas dúvidas se conseguiríamos substituir do texto essa questão do trabalho intermitente, ou seja, a flexibilização das horas de trabalho. Não sei se tem alguma emenda para suprir isso e assim dar mais segurança ao trabalhador. Mas há sim uma necessidade de modernizarmos a nossa legislação trabalhista que é antiga. Hoje a relação de trabalhador e patrão está vivendo de súmula da justiça trabalhista. O certo é que precisamos fazer algo, só não sei se com esse texto que está aí.", esclareceu.

O parlamentar analisa que a reforma pode até mesmo gerar empregos. "O outlet no entorno de Brasília que emprega 600 pessoas de quinta a domingo é um exemplo, nesse caso não existe relação patrão e empregado, essas pessoas estão trabalhando ali ilegalmente e não estão ganhando o que deveriam ganhar. É prejuízo pro empregado e pode se transformar em prejuízo também para o patrão e sobretudo é prejuízo para o país. Por isso, precisamos fazer alguma coisa, não sei se necessariamente esse texto.", declara Silas.

A expectativa é de concluir o processo de votação da reforma trabalhista na Câmara até quinta-feira, depois disso, a proposta segue para apreciação do Senado.

Fonte: Portal MN