Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore
curiosidades rede meionorte blogs notícias entretenimento esportes cidades carros

Exploradora da Nasa revela bastidores de missão HI-SEAS, no Havaí

Kate Greene traçou paralelos entre a experiência e os tempos atuais de pandemia

Compartilhe

Após quatro meses de isolamento por conta da pandemia do coronavírus, é possível listar algumas situações vivenciadas: solidão, ansiedade, tédio, sensação de monotonia. Isso pode parecer novidade para a sociedade, mas a situação já era bem familiar para Kate Greene, que passou quatro meses em uma cúpula geodésica no vulcão haviano Mauna Loa, em 2013. A notícia está no site Olhar Digital.

Greene não estava a passeio. Ela fazia parte dos cinco integrantes que participaram da Missão Analítica e Simulativa de Exploração Espacial do Havaí (HI-SEAS). A Nasa aproveita o habitat e o ambiente haviano, parecidos com o de Marte, para realizar testes e solucionar problemas vivenciados por astronautas.

Divulgação/NASA

A pauta da vez era entender o motivo dos astronautas perderem tanto peso no espaço. Um dos pontos registrados no novo livro de Greene "Era uma vez, eu vivi em Marte: espaço, exploração e vida na Terra" que ajudam a entender a causa era a "mesmice" nas alimentações: muitas bolsas de alimentos reidratáveis e barras de substituição de refeições.

Além disso, a congestão nasal é muito comum entre os astronautas. Com a perda gradual da identificação dos aromas, as comidas tendem a perder o sabor e podem diminuir o apetite dos tripulantes. "Grande parte do estudo de alimentos estava realmente olhando para o nariz e a forma como cheiramos", apontou Greene. Por conta disso, ela revela que o molho de tabasco é um sucesso entre os astronautas, pois proporcionam forte sabor às refeições.

Reprodução/Youtube 

Paralelos com a atual pandemia

Não é difícil traçar paralelos entre a experiência vivida por Greene e o atual distanciamento social vivenciado por conta da Covid-19, especialmente quando aborda-se o afastamento de nossos entes queridos. A diferença é que na missão HI-SEAS havia um prazo para que tudo acabasse.

Como Marte está localizado a uma distância considerável da Terra, haveria um atraso na comunicação entre os astronautas e o controle da missão. Para tornar a experiência ainda mais real, o HI-SEAS simulou esse delay. Greene podia mandar um e-mail para sua esposa, mas não estava habilitada para fazer ligações ou chamadas de vídeo.

"Você começa a sentir que as pessoas de fora não estão experimentando isso — nem conseguem entender o que você está sentindo por dentro", disse ela.

Greene tem uma palavra específica para descrever a dor que acompanha as frustrações tecnológicas: "technoschmerz". É como a solidão derivada por alguém que não responde a uma mensagem ou a irritação quando uma chamada continua caindo.

Apesar das regalias tecnológicas presenciadas nos dias de hoje — que permitem videochamadas, lives e reuniões — serem diferentes das encontradas na Missão Analítica e Simulativa de Exploração Espacial do Havaí, o isolamento das pessoas mais queridas em tempos de pandemia resulta no mesmo sentimento de solidão vivenciado por Greene.


 



Tópicos
Compartilhe
Não venda minhas informações pessoais

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Podcast

Selecione seus podcasts

atualizar