'Temos um projeto para recuperar o Vale do Rio Doce', diz Salgado

Fotógrafo entregou uma proposta de recuperação do Vale do Rio Doce

O fotógrafo Sebastião Salgado entregou à presidente Dilma Rousseff, em Brasília, uma proposta de recuperação do Vale do Rio Doce após o desastre das barragens da mineradora Samarco na região. Nascido em Aimorés – cidade do leste mineiro afetada pela catástrofe, o fotógrafo conduz trabalhos de recuperação ambiental na região desde 1998. Neste domingo, 15, Salgado falou.

Image title

"Trabalhamos na região há muito tempo e temos um projeto de recuperação de todas as nascentes do Rio Doce, aprovado pelo BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento), mas parado por causa da restrição orçamentária. Temos cerca de 377 mil nascentes no Rio Doce e precisamos recuperar ao menos 300 mil delas, a um custo que varia entre R$ 12 mil a R$ 15 mil por propriedade rural", afirmou.

Como a presidente e os governadores de Minas e do Espírito Santo reagiram à proposta?

A recepção deles foi perfeita porque eles não têm plano, não há alternativa, e oferecemos uma. A gente propõe negociar com a Vale e a BHP, as duas maiores mineradoras do mundo, para a criação de um fundo gerido de forma público-privada. Temos uma referência do que é um fundo necessário para uma catástrofe desse tamanho, pois após a tragédia no México a British Petroleum pagou algo na casa dos U$ 20 bilhões Precisamos criar um fundo desse calibre, no mínimo, gerido de forma público-privada, com participação dos ministérios públicos federal e estadual, a referência ética desse País.

Vamos ter um grupo e criar um programa de utilização desse fundo. Vamos precisar recuperar as nascentes, instalar em cada uma das cidades um tratamento de esgoto para que se pare a poluição que acontece naturalmente. Isso vai ter que ser instalado, assim como ser criado o sistema de mata ciliar. Minha ideia é ter um fundo investido para que passe a ser uma forma eterna de amparo. Esse vale não vai se recuperar antes de 20 ou 30 anos. Só o nosso projeto de nascentes leva de 15 a 20 anos para ser executado. São projetos de médio e longo prazo. Estamos oferecendo uma alternativa.

Como conseguir a adesão das empresas?

Tenho quase certeza de que para as empresas é alguma coisa que eles têm de participar com boa vontade. O nome da Vale até muito pouco tempo era Vale do Rio Doce, empresa que nasceu aqui. A minha irmã mais velha é aposentada da Vale, era professora da escola primária da empresa. É o maior empregador da região. É uma empresa responsável. Ela é um dos nossos sponsors do projeto já desde o início. As primeiras 500 mil mudas plantadas aqui vieram de lá. A gente está oferecendo uma oportunidade de uma compensação a essa catástrofe ecológica. A construção da Vale se fez aqui e é uma oportunidade. Não pode ser uma proposta humilde. Pode parecer muito dinheiro, mas quanto é o lucro de uma companhia como Banco do Brasil, quantos bilhões? O dinheiro existe, está aí e precisamos dele. Além disso, pode ser um modelo para recuperação de bacias como a do Vale do Paraíba, do São Francisco e do Tietê.

Você nasceu em Aimorés, cidade banhada pelo Rio Doce. Qual é a sua relação com ele?

Quando eu era menino, tomei banho nesse rio. Minha mãe tinha o maior medo de que eu morresse afogado lá. Quando eu era menino, nos anos 50, a gente ia em Colatina (Espírito Santo) na festa da cidade para ver chegar o navio que vinha de Vitória, que navegava. O rio tinha profundidade média de mais de sete metros. Hoje, com uma sandália de dedo você o atravessa. Podemos salvar esse rio.Você é um fotógrafo mundialmente reconhecido pelo seu trabalho, mas no final da década de 1990 resolveu se dedicar a esse ativismo ambiental. Como enxerga o trabalho iniciado por você aqui na região?

Tenho um volume de trabalho fotográfico considerável. Mas a grande realização da minha vida foi o que nós realizamos aqui. Quando eu era menino, tínhamos mais de 60% de cobertura florestal. Para se ter uma ideia, aqui tinha muito assassinato e quando alguém fugia pela mata era impossível pegar. Hoje, se você fugir ali vai cair em um deserto. Quando eu era menino, tinha a impressão de que jamais a floresta daqui acabaria, mas acabou numa velocidade, uma coisa incrível. Hoje, a gente já conseguiu plantar 2,2 milhões de árvore e conseguimos refazer essa fazenda, parte desse ecossistema. Conseguimos transformar isso em muito pouco tempo. Plantamos a primeira árvore aqui em dezembro de 1999. São só 16 anos, mas temos uma floresta, temos até onça aqui dentro. Eu tenho esperança com muita sinceridade antes da minha morte, em torno dos 90 anos, estarmos com o vale recuperado. Precisa ter muita honestidade, ética. Os recursos que vierem tem de ser aplicado aqui. Mas dá para fazer.


Image title


Image title

Image title

Image title

Image title

Fonte: Com informações do Estadão
logomarca do portal meionorte..com