Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore
curiosidades rede meionorte blogs notícias entretenimento esportes cidades carros

Uespi desenvolve material para tratar lesões

A pesquisa foi desenvolvida através do Renorbio

Compartilhe
Google Whatsapp

Foi desenvolvido, na Universidade Estadual do Piauí, por pesquisadores vinculados ao Programa Rede Nordeste de Biotecnologia (RENORBIO), um biomaterial que pretende mudar realidades hospitalares. Este é mais um avanço para melhorar o tratamento de lesões cutâneas de forma mais eficaz e com menor custo, com um material que aproveita recursos regionais, sem efeitos adversos, de produção simplificada e de efeito comprovado.

Segundo dados da Secretaria de Estado da Saúde (SESAPI), em Teresina, cerca de 30% das internações hospitalares são de pessoas que sofreram acidentes de trânsito. Com isso, a quantidade de doenças relacionadas a lesões cutâneas e corporais (doenças degenerativas, fraturas, neoplasias) tem crescido, e novas alternativas de reparo com biomateriais são viáveis para o melhor desenvolvimento da saúde pública e estudos ósseos.

Divulgação

Os testes dos materiais à base de pólen apícola foram realizados nos laboratórios do GERATEC (CCN), enquanto que os testes “in vivo” foram conduzidos no laboratório de Biotecnologia e Biodiversidade (CCS), ambos da UESPI. A pesquisa de doutorado foi realizada por Afra Nascimento, orientada pelo professor Dr. Geraldo Luz, contando com a parceria de professores do Núcleo de Pesquisa em Biotecnologia e Biodiversidade (UESPI).

“Ela teve como foco o desenvolvimento de um material natural, que acelerasse o processo de cicatrização e que não causasse alergia ou reação adversa. Aproveitando o potencial cicatrizante das substâncias biologicamente ativas presentes no pólen apícola e usando como base para a produção do biomaterial o colágeno hidrolisado, no qual foi incluído o extrato de pólen para ter efeito cicatrizante”, disse Afra Nascimento.

Executada em animais de experimentação, cujo uso foi autorizado pelo comitê de ética de uso animal da Universidade Estadual do Piauí, foi possível constatar com a pesquisa o efeito real do biomaterial desenvolvido, em que se observou um efeito superior ao grupo que passou por um tratamento comercial por igual período.

A etapa de estudos pré-clínicos está concluída, e os resultados incentivam o prosseguimento para estudos clínicos, uma vez que este biomaterial poderia auxiliar no tratamento de acidentados, queimados, entre outras pessoas afetadas por uma lesão de grande proporção, cujo tratamento é demorado e doloroso. 

“Cabe ressaltar que o biomaterial desenvolvido foi amplamente absorvido durante o período de experimentação, indicando que não seria necessária sua substituição durante o tratamento, significando mais conforto para o paciente”, disse Afra.


Tópicos
Compartilhe
Google Whatsapp

veja também

Localização

Definir a localização padrão

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Fique por dentro

Receba notícias quentinhas diretamente no seu whatsapp

Continuar

Falta pouco, agora escolha as categorias que deseja receber notícias

Aperte (ctrl + clique) para selecionar vários
Pronto!

Agora você passará a receber novidades diretamente no seu whatsapp.

Termos de uso

Texto

Política de privacidade

Texto

×