Na manhã desta quinta-feira, 24, a Associação Brincantes do Folclore Nordestino, realizou no auditório da Secretaria de Desenvolvimento e Assistência Social, a apresentação do Projeto de Trabalho Social (PTS), Pós Ocupação, com as ações que serão desenvolvidas no bairro Alto da Cruz. O projeto pretende fazer o acompanhamento dos moradores de conjuntos habitacionais, com o objetivo de melhorar a qualidade de vida dos moradores. 

A abertura da solenidade foi feita pela secretária de Desenvolvimento e Assistência Social, Rafaela Barros, ladeada do vice-prefeito Antônio Reis. A solenidade também contou com a presença  do secretário de Educação, Nylfranyo Ferreira, e servidores do CREAS, CRAS, SEMDAS, Conselho Tutelar e representante do comando da PM/PI.

O projeto é idealizado pela CEF, desenvolvido por meio do Programa Minha Casa Verde e Amarela e realizado pela Prefeitura de Floriano, através da Secretaria de Desenvolvimento e Assistência Social, onde a responsável pela execução  do projeto em Floriano é a Associação Brincantes do Folclore Nordestino, empresa ganhadora da licitação.

Leonardo Carlos, presidente da Associação Brincantes do Folclore Nordestino, fez a  apresentação dos dados coletados pela equipe após a realização de plantões de coleta e levantamento de dados. Leonardo também citou, como exemplo de ações que serão realizadas, os cursos profissionalizantes, que serão oferecidos principalmente para mães de famílias que buscam capacitação profissional, sem a necessidade de deixar seus filhos sozinhos, pois as crianças de até 12 anos também serão beneficiadas com cursos de dança, teatro de fantoche, entre outros.

A ideia é desenvolver, em um período de 12 meses, ações sociais dentro do Residencial. Além da oferta de cursos e capacitações de incentivo financeiro, também serão promovidas ações voltadas aos cuidados com o patrimônio, meio ambiente e impacto ambiental na região.

No próximo dia 12 de março, o PTS será apresentado aos moradores do Residencial Alto da Cruz, oportunidade onde também será decidido forma democrática, os cinco representantes por setor para compor o Grupo de Governança Local (GGL), que será responsável pela gestão do projeto na comunidade, identificando as fragilidades durante toda a execução do projeto, ou seja, todo o ano de 2022.