Com a chegada do período chuvoso, é comum o acúmulo de água parada em casas ou valas perto de residências, assim como em vasos, poças d’água ou pneus abandonados, gerando o ambiente ideal para a proliferação do Aedes aegypti, mosquito causador da dengue, Chikungunya e Zika Vírus.

Agentes comunitários de Monsenhor Gil em campo contra o mosquito da dengue - Imagem 1

Para o combate dessas doenças, a Prefeitura de Monsenhor Gil conta com o trabalho dos Agentes Comunitários de Combate de Endemias da Secretaria Municipal de Saúde, que saem diariamente nos bairros fazendo vistorias e prevenindo a disseminação dessas doenças. Mas tanto o prefeito João Luiz, bem como o Secretário Municipal de Saúde Herbert Cesar, lembram que para acabar com a dengue em Monsenhor Gil, o combate precisa ser unificado, poder público e população. 

"Todos precisam dispersar água parada, lavar bem vasilhas a onde bebem os animais, já que vivemos numa cidade do interior e as pessoas costumam criar galinhas, gatos, cachorros e até porcos. Por isso os cuidados precisam ser redobrados. Também evitar o acúmulo de lixos, materiais inservíveis e que ficam expostos as constantes chuvas que caem sobre nosso município", finaliza o prefeito João Luiz.

O trabalho do agente comunitário nos bairros consiste na eliminação dos “focos” do mosquito, usando os devidos inseticidas, e dando orientações às famílias para não deixar água parada em locais propícios à proliferação do mosquito. 

Além das orientações, os ACE podem identificar necessidades da população a respeito de consultas ou vacinas, podendo fazer o encaminhando para o posto de saúde mais próximo.

Agentes comunitários de Monsenhor Gil em campo contra o mosquito da dengue - Imagem 2

Agentes comunitários de Monsenhor Gil em campo contra o mosquito da dengue - Imagem 3

Agentes comunitários de Monsenhor Gil em campo contra o mosquito da dengue - Imagem 4

Situação da Dengue no Piauí

O Piauí vem enfrentando uma epidemia de dengue, que teve um crescimento de 351,7% na incidência de casos da doença. Para ajudar os municípios no combate ao mosquito Aedes Aegypti, transmissor da doença, a Secretaria de Estado de Saúde (Sesapi) vem realizando ações e monitoramento das infestações.

De acordo com os dados do boletim epidemiológico da 12ª Semana Epidemiológica – 2022, de janeiro a março deste ano foram registrados no Estado 761 casos, em 96 cidades piauienses, sendo que durante todo o ano passado foram confirmados 262 casos da doença. “A Sesapi vem desenvolvendo ações de prevenção e combate à dengue desde o ano passado, quando iniciaram as capacitações com os municípios e agora intensificamos nosso trabalho junto às cidades para que possamos fazer um enfrentamento mais efetivo contra o mosquito, que vem adoecendo nossa população, disse o secretário de Estado da Saúde, Neris Júnior.

No Estado, 24 municípios estão em situação de risco alto para a dengue e 83 cidades se encontram em estado de alerta para a doença, sendo que cinco municípios estão com maior índice de infestação, são eles; Guadalupe, Jerumenha, Alvorada do Gurgueia, Fartura do Piauí e Marcos Parente.

“Esses números conseguimos observar por meio dos nossos sistemas e nos ajudam a planejar ações para o enfrentamento da doença. Por isso pedimos aos gestores municipais que mantenham os sistemas atualizados”, lembra o superintendente de Atenção à Saúde e Municípios Herlon Guimarães.

Entre as ações para combater o Aedes Aegypti está à utilização do carro fumacê e a disponibilização do produto que mata a larva do mosquito, para os municípios por intermédio das regionais de saúde. “Todos os nossos veículos utilizados como carro fumacê estão funcionando e à disposição das cidades, que fazem a solicitação e atendem os critérios estabelecidos pelo Ministério da Saúde. As regionais também contam com o produto químico que ajuda a disseminar a larva, mas para a disponibilização precisamos estar com os dados de cada município atualizado no sistema”, explica o superintendente.

O secretário Neris Júnior também lembra à população da necessidade de manter os cuidados em casa, para evitar a proliferação do Aedes Aegypti. “É importante que todas as pessoas façam a sua parte também e mantenham os cuidados de limpeza contra a dengue, pois só assim é possível reduzir as chances de transmissão da doença. A prevenção da dengue pode ser feita com práticas simples que evitam, principalmente, a reprodução do mosquito transmissor, por meio da eliminação de objetos que acumulem água parada, como pneus, garrafas e plantas”, enfatiza o gestor.

Fonte:. Secretaria de Saúde do Estado do Piauí