Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore
curiosidades rede meionorte blogs notícias entretenimento esportes cidades carros

Professores municipais iniciam série de paralisações

Professores municipais iniciam série de paralisações
Imagem ilustrativa | Internet
Compartilhe
Google Whatsapp

            Os professores da rede municipal de Redenção do Gurguéia chegaram ao limite da paciência com a atual gestão. Neste dia 03 de agosto aconteceu a primeira (de uma série, segundo os professores) paralização.

            Os professores reivindicam implantação do Piso Salarial de 7,64% que é uma determinação federal e que deveria ter sido implantado em janeiro, pagamento de salários atrasados de novembro e dezembro (2016) dos professores e abono de férias do administrativo.

            Em 2013 (início da gestão anterior) essa paralização ocorreu em abril, naquela oportunidade o piso já havia sido implantado e a reivindicação era os meses de novembro de dezembro de 2012 que foram parcelados e negociados.

            O atual Prefeito, Ângelo Sena conhecido popularmente como Dr. Macaxeira utilizou exaustivamente a “crise” na educação como base de sua campanha eleitoral, em algumas entrevistas chegou a dizer que a “Educação será a menina dos meus olhos” com valorização dos profissionais, melhores condições de trabalho para os profissionais e bem estar ao aluno. Essas promessas fizeram com que os profissionais permanecessem tranquilos até agora, considerando ainda que a Secretária de Educação – Professora Delaíce Guerra fora uma atuante militante do SINTERG – Sindicato dos Trabalhadores em Educação de Redenção do Gurguéia e representante do SINTE – Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Estado, exímia conhecedora dos direitos da classe.

A Secretária alega que os recursos são insuficiente devido a falta de alguns programas e prejuízo no Senso anterior.

“... a educação opera com um déficit em relação aos repasses do Governo Federal, ou seja, uma receita bem inferior à que se deveria receber e uma despesa superior à receita. Isso é perceptivelmente visível quando se confronta a folha de pagamento de pessoal com a as entradas do FUNDEB tendo que, para cumprir com o pagamento em dias, a Prefeitura vem complementando com injeção financeira”. Justifica a Secretária.

  Para os professores, essa explicação não justifica porque todos são sabedores dessa situação, inclusive a própria secretária, outra questão é o excesso de contratados e comissionados como denuncia a Professora Carolina Folha de Miranda  “Em tempo de crise a ordem é cortar gastos e o que vemos é a gastança, houve um considerável aumento de contratações, planejamento de festas e por aí vai . Corte os gastos e ai apresente os números que nós estaremos dispostos a negociar”.

            Os professores afirmam que irão continuar com as paralizações onde em cada uma ficará definida a data da próxima. Hoje ficou definida que a próxima será em 23/08/17 e não descartam a possiblidade de greve por tempo indeterminado, caso as reinvindicações não forem atendidas.


Tópicos
Compartilhe
Google Whatsapp

veja também

Não venda minhas informações pessoais

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se