SEÇÕES

Empresária é presa acusada de manter prima sob condição de escravidão

A vítima relatou que foram pouquíssimas as vezes que tinha autorização para sair de casa. Ela também era proibida de frequentar à escola

Empresária é presa acusada de manter mulher sob condição de escravidão. | Divulgação
FACEBOOK WHATSAPP TWITTER TELEGRAM MESSENGER

A empresária e fisioterapeuta Francisca Danielly Mesquita Medeiros foi presa na tarde desta terça-feira (23), acusada de manter uma mulher identificada como Janaína dos Santos Ferreira, de 27 anos, em condições análogas à escravidão, cárcere privado e maus-tratos por 15 anos, no bairro Ilhotas, na zona Sul de Teresina.  As duas são primas de 2º grau. 

Danielly tem 38 anos e disputou uma vaga de deputada federal nas eleições de 2018 e em 2020, concorreu à Câmara dos Vereadores de Teresina nas eleições de 2020.

O delegado Odilo Sena, titular do 6º Distrito Policial de Teresina, afirmou que a mulher vivia desde os 12 anos de idade em condições degradantes.  “Recebemos a denúncia através de uma pessoa próxima a vítima, abrimos o inquérito policial e iniciamos as investigações que chegaram a este caso estarrecedor. Essa jovem desde os 12 anos de idade vivia em cárcere privado, sendo obrigada a realizar todas as tarefas domésticas, onde a dona da casa a mantinha sob constantes ameaças, além das torturas físicas e psicológicas”, disse. 

Segundo o delegado, Janaína foi mantida presa dos 12 aos 27 anos de idade, trabalhava manhã, tarde, noite e até de madrugada, sem direito a sair e não ganhava salário. “Foram 15 anos de intenso sofrimento. Felizmente, essa situação vai acabar agora e Francisca Danielly vai responder por tortura física e psicológica, redução à condição análoga de escravo e também cárcere privado'', acrescentou. 

Durante depoimento, a vítima relatou que foram pouquíssimas as vezes que tinha autorização para sair de casa. Ela também era proibida de frequentar a escola. Na residência, além dos trabalhos domésticos, também era a responsável pelos cuidados do filho da acusada, que é autista. 

Natural da zona rural do município de Chapadinha, do Maranhão, Janaína veio para Teresina com a promessa de uma vida melhor. A família já havia tentado outros meios de resgatá-la, mas sem sucesso. “Os pais da vítima são de baixa renda e possuem poucas instruções. A acusada, que é prima de 2º grau da jovem, trouxe a jovem para capital e, posteriormente, passou esconder informações sobre o paradeiro da moça”, completou Odilo.



Participe de nosso grupo no WhatsApp, clicando nesse link

Entre em nosso canal do Telegram, clique neste link

Baixe nosso app no Android, clique neste link


Tópicos