Foi preso em um hotel, na manhã deste sábado (28), o pastor Georgeval Alves Gonçalves, de 36 anos, pai de Joaquim e padrasto de Kauã, de 3 e 6 anos, que morreram carbonizados em um incêndio na casa onde moravam em Linhares, no Norte do Espírito Santo.

Um mandado de prisão temporária, de 30 dias, foi expedido pelo juiz Grécio Grégio contra ele. O pastor passou por exames no Serviço Médico Legal de Linhares e foi encaminhado à Penitenciária Regional de Linhares em seguida. Autoridades informaram que George atrapalhava a investigação sobre o caso.

Por telefone, a mãe das crianças, Juliana Salles, disse que estava muito abalada com a notícia, mas que esperava pela prisão do marido por conta da linha de investigação da polícia. Ainda assim, ela afirmou que não desconfia de George.

O incêndio aconteceu na casa da família, no Centro de Linhares. Na residência estavam dormindo o pastor George Alves, o filho Joaquim e o enteado Kauã, mas as chamas atingiram apenas o quarto dos meninos. A mãe das crianças, Juliana Salles, estava em um congresso em Minas Gerais junto com o filho mais novo do casal.

O pastor disse, em entrevista, que ouviu os gritos das crianças e tentou entrar no quarto que pegava fogo.

A terceira perícia na casa onde houve o incêncio, no dia 21 de abril, foi feita nesta sexta-feira. Peritos, policiais civis e promotores do Ministério Público Estadual participaram. Os trabalhos no local só terminaram depois de quase quatro horas, por volta das 20h30.