Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore
curiosidades rede meionorte blogs notícias entretenimento esportes cidades carros

Deputada cotada para substituir Marco Feliciano é acusada de compra de votos e caixa dois

Antônia Lúcia teve o mandato cassado pela Justiça do Acre, mas conseguiu liminar no TSE

Deputada cotada para substituir Marco Feliciano é acusada de compra de votos e caixa dois
Deputada aguarda julgamento sobre acusações de caixa dois e compra de votos | Divulgação
Compartilhe

Assim como o presidente da CDH (Comissão de Direitos Humanos), Marco Feliciano (PSC-SP), a deputada Antônia Lúcia (PSC-AC) ? vice-presidente do órgão e nome mais cotado para substituir o colega no comando do colegiado ? também está sendo investigada pela Justiça.

Enquanto Feliciano é acusado por ter dado declarações racistas e homofóbicas na internet e responde a inquérito por estelionato, suspeito de receber cerca de R$ 13 mil para realizar cultos religiosos e não ter comparecido, Antônia Lúcia é acusada de caixa dois, compra de votos e abuso de poder econômico.

De acordo com denúncia do MPE (Ministério Público Eleitoral), a deputada Antônia Lúcia está envolvida em

distribuição de combustíveis e de bens ? como aparelhagem de som, bicicletas, computadores, motores para barcos e geradores de energia ? em troca de votos.

Além disso, segundo informações do TRE-AC (Tribunal Regional Eleitoral do Acre), Antônia Lúcia é acusada de captação de votos de fiéis de igrejas, utilização ilícita da Rádio Boas Novas e patrocínio de show artístico durante sua campanha para deputada federal em 2010.

O TRE-AC chegou a cassar o mandato da deputada em 2011, tornando Antônia Lúcia inelegível por três anos em razão da prática de caixa dois. De acordo com a denúncia, ela teria recebido R$ 472 mil que seriam destinados, ilegalmente, a sua campanha eleitoral.

No entanto, a deputada recorreu ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral) e conseguiu uma liminar suspendendo os efeitos da decisão da Justiça eleitoral do Acre até o julgamento final do caso pela Corte.

O relator do caso no TSE é o ministro Dias Toffoli, responsável também pela liminar que mantém o mandato da deputada.

Antônia Lúcia é casada com o deputado federal Silas Câmara (PSD-AM), que também teve o mandato cassado e continua na Câmara por força de liminar.

Na última quinta-feira (21), o presidente da Câmara, deputado Henrique Alves (PMDB-RN), disse que a situação de Marco Feliciano na presidência da Comissão "tornou-se insustentável" e pediu uma solução do caso para o PSC até esta terça-feira (26).

Desconfortável

A deputada Antônia Lúcia declarou, em entrevista ao R7 nesta segunda-feira (25), que não se sente confortável em assumir a presidência da CDH no lugar de Feliciano e alega que é preciso uma reflexão da bancada na hora de escolher um novo nome.

? Tem que fazer a reflexão se ainda vale a pena o PSC ter a Comissão de Direitos Humanos, se ainda vale a pena eu assumir a presidência. Tem que fazer a reflexão se a resistência é pelo fato de sermos declaradamente evangélicos. Então, não dá pra dizer que eu assumo sem nenhum problema.

A deputada garante que ainda não foi consultada sobre a possibilidade de ser a nova presidente da CDH e disse que Feliciano está firme na decisão de continuar no cargo.


Tópicos
Compartilhe
Não venda minhas informações pessoais

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Podcast

Selecione seus podcasts

atualizar