Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore

Ex-presidente do PP é condenado a 9 anos em regime fechado

O deputado federal Pedro Corrêa foi condenado por formação de quadrilha, lavagem de dinheiro e corrupção passiva

Compartilhe

Os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) definiram, nesta segunda-feira, a pena de nove anos e cinco meses de prisão para o ex-deputado federal Pedro Corrêa, condenado por formação de quadrilha, lavagem de dinheiro e corrupção passiva. O ex-presidente do PP também terá que pagar 450 dias-multa, no valor de 10 salários mínimos da época dos crimes cada. Como a pena é superior a oito anos, deverá ser cumprida, inicialmente, em regime fechado.


Ex-presidente do PP é condenado a mais de 9 anos em regime fechado

"Pedro Corrêa transformou o seu partido em legenda alugada pelo partido detentor do poder federal", afirmou o relator da ação penal, Joaquim Barbosa, ao iniciar a dosimetria pelo crime de formação de quadrilha. Quando os ministros começaram a votar, surgiu novamente - assim como durante a dosimetria da pena de Valdemar Costa Neto (PR-SP) - a dúvida sobre se houve confissão por parte do réu. Celso de Mello lembrou trecho do voto do próprio Barbosa que citava que Corrêa havia confirmado o recebimento de recursos. O relator reagiu. "Com exceção de Roberto Jefferson, nenhum dos réus confessou. Todos admitiram o recebimento das somas milionárias, mas deram a esse recebimento uma outra qualificação", argumentou Barbosa.

Ao iniciar seu voto, o ministro Marco Aurélio Mello voltou a sugerir um debate sobre o que deve ser considerado confissão ou não. "A cada passo me convenço mais que precisamos distinguir a auto-incriminação presente no tipo da confissão contemplada como atenuante", disse. Após o debate, a pena de Corrêa por formação de quadrilha foi fixada em dois anos e três meses de prisão, conforme sugerido pelo relator.

Pelo crime de corrupção passiva, Barbosa sugeriu pena de quatro anos e um mês de prisão e pagamento de 190 dias-multa, e o revisor, Ricardo Lewandowski, dois anos e seis meses e pagamento de 25 dias-multa. Todos os ministros votaram nesse caso, pois Corrêa foi condenado por unanimidade, e prevaleceu a pena estabelecida pelo revisor.

Lembrando que Corrêa usou a empresa Bônus Banval para receber "milhões" do esquema do mensalão, Barbosa determinou seis anos, nove meses e vinte dias de reclusão, além de 120-dias-multa e da perda de todos os bens que foram comprados com o dinheiro "sujo". Lewandowski, que absolveu o ex-deputado desse crime, não votou. A ministra Rosa Weber sugeriu pena menor, de quatro anos e oito meses, que foi seguida pela maioria dos colegas.

Presidente do PP à época do escândalo do mensalão, o ex-deputado foi acusado de articular o repasse de dinheiro para parlamentares da sigla em troca de apoio aos projetos do governo Lula. De acordo com o ministro Joaquim Barbosa, ele participou da lavagem de milhões de reais repassados pelo PT. A posição que foi seguida pela maioria da Corte quando da condenação.

O mensalão do PT

Em 2007, o STF aceitou denúncia contra os 40 suspeitos de envolvimento no suposto esquema denunciado em 2005 pelo então deputado federal Roberto Jefferson (PTB) e que ficou conhecido como mensalão. Segundo ele, parlamentares da base aliada recebiam pagamentos periódicos para votar de acordo com os interesses do governo Luiz Inácio Lula da Silva. Após o escândalo, o deputado federal José Dirceu deixou o cargo de chefe da Casa Civil e retornou à Câmara. Acabou sendo cassado pelos colegas e perdeu o direito de concorrer a cargos públicos até 2015.

No relatório da denúncia, a Procuradoria-Geral da República apontou como operadores do núcleo central do esquema José Dirceu, o ex-deputado e ex-presidente do PT José Genoino, o ex-tesoureiro do partido Delúbio Soares e o ex- secretário-geral Silvio Pereira. Todos foram denunciados por formação de quadrilha. Dirceu, Genoino e Delúbio respondem ainda por corrupção ativa.

Em 2008, Sílvio Pereira assinou acordo com a Procuradoria-Geral da República para não ser mais processado no inquérito sobre o caso. Com isso, ele teria que fazer 750 horas de serviço comunitário em até três anos e deixou de ser um dos 40 réus. José Janene, ex-deputado do PP, morreu em 2010 e também deixou de figurar na denúncia.

O relator apontou também que o núcleo publicitário-financeiro do suposto esquema era composto pelo empresário Marcos Valério e seus sócios (Ramon Cardoso, Cristiano Paz e Rogério Tolentino), além das funcionárias da agência SMP&B Simone Vasconcelos e Geiza Dias. Eles respondem por pelo menos três crimes: formação de quadrilha, corrupção ativa e lavagem de dinheiro.

A então presidente do Banco Rural, Kátia Rabello, e os diretores José Roberto Salgado, Vinícius Samarane e Ayanna Tenório foram denunciados por formação de quadrilha, gestão fraudulenta e lavagem de dinheiro. O publicitário Duda Mendonça e sua sócia, Zilmar Fernandes, respondem a ações penais por lavagem de dinheiro e evasão de divisas. O ex-ministro da Secretaria de Comunicação (Secom) Luiz Gushiken é processado por peculato. O ex-diretor de Marketing do Banco do Brasil Henrique Pizzolato foi denunciado por peculato, corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

O ex-presidente da Câmara João Paulo Cunha (PT-SP) responde a processo por peculato, corrupção passiva e lavagem de dinheiro. A denúncia inclui ainda parlamentares do PP, PR (ex-PL), PTB e PMDB. Entre eles o próprio delator, Roberto Jefferson.

Em julho de 2011, a Procuradoria-Geral da República, nas alegações finais do processo, pediu que o STF condenasse 36 dos 38 réus restantes. Ficaram de fora o ex-ministro da Comunicação Social Luiz Gushiken e o irmão do ex-tesoureiro do Partido Liberal (PL) Jacinto Lamas, Antônio Lamas, ambos por falta de provas.

A ação penal começou a ser julgada em 2 de agosto de 2012. A primeira decisão tomada pelos ministros foi anular o processo contra o ex-empresário argentino Carlos Alberto Quaglia, acusado de utilizar a corretora Natimar para lavar dinheiro do mensalão. Durante três anos, o Supremo notificou os advogados errados de Quaglia e, por isso, o defensor público que representou o réu pediu a nulidade por cerceamento de defesa. Agora, ele vai responder na Justiça Federal de Santa Catarina, Estado onde mora. Assim, restaram 37 réus no processo.


Tópicos
Compartilhe
Não venda minhas informações pessoais

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Podcast

Selecione seus podcasts

atualizar