SEÇÕES

FBI colabora com investigações da PF sobre as joias recebidas por Bolsonaro

Com a assistência do FBI, a Polícia Federal busca reunir informações detalhadas sobre as transações das joias realizadas nos Estados Unidos

Jóias recebidas por Bolsonaro | Reprodução Fantástico
FACEBOOK WHATSAPP TWITTER TELEGRAM MESSENGER

O FBI, a agência federal de investigações dos Estados Unidos, começou a colaborar com as autoridades brasileiras em relação a uma investigação que envolve alegações de um esquema de venda de joias e outros artigos de luxo que foram supostamente presenteados ao ex-presidente Jair Bolsonaro e seus aliados. A Polícia Federal brasileira havia solicitado cooperação internacional junto às autoridades americanas, um pedido que foi aceito pelo governo dos Estados Unidos. 

Com a assistência do FBI, a Polícia Federal busca reunir informações detalhadas sobre as transações das joias realizadas nos Estados Unidos por Bolsonaro e seus associados, incluindo o ex-ajudante de ordens Mauro Cid e seu pai, o general Mauro Lourena Cid. De acordo com informações da Folha de S.Paulo, o FBI já está ativamente cooperando com as investigações em andamento. 

Os investigadores estão particularmente interessados em rastrear a trilha do dinheiro gerado a partir da suposta venda ilegal das joias, com o intuito de determinar quem se beneficiou dessas transações. Tanto a família Cid quanto Bolsonaro possuem contas bancárias nos Estados Unidos, o que levanta a possibilidade de que essas contas tenham sido usadas nas operações, conforme fontes familiarizadas com as investigações afirmaram à Folha.

Além disso, tanto a loja quanto a casa de leilões onde as joias supostamente foram negociadas estão localizadas nos Estados Unidos. As autoridades pretendem mapear quem frequentou esses estabelecimentos e para quem os recursos provenientes da venda foram destinados.

Como anteriormente reportado pela Folha de S.Paulo, uma caixa de joias presenteada a Bolsonaro pela Arábia Saudita foi colocada à venda por uma loja de artigos de luxo em Nova York no início do ano. A investigação da Polícia Federal sugere que Mauro Cid esteve envolvido na tentativa de venda desse conjunto de joias e relógio da grife Chopard.

Esses itens foram destacados no catálogo de Dia dos Namorados da Fortuna Auction, publicado em 30 de janeiro, com um preço estimado entre US$ 120 mil e US$ 140 mil, aproximadamente R$ 611 mil a R$ 713 mil de acordo com a cotação da época. O leilão foi aberto no início de fevereiro.

Em uma delação prestada à Polícia Federal, Mauro Cid alegou que entregou parte do dinheiro proveniente da venda de relógios de luxo, recebidos como presentes de Estado, diretamente a Bolsonaro. Esse valor teria sido de US$ 68 mil, entregue de forma parcelada, com uma parte repassada nos Estados Unidos e outra no Brasil. O dinheiro resultante da venda dos relógios Rolex e Patek Philippe teria sido depositado na conta do pai de Cid, o general da reserva Mauro Lourena Cid, sacado e entregue diretamente nas mãos do ex-presidente, de acordo com as alegações de Cid.

É importante notar que Bolsonaro nega ter recebido qualquer dinheiro relacionado à venda das joias e a defesa do ex-presidente afirmou que a movimentação bancária está à disposição das autoridades, destacando que ele "jamais se apropriou ou desviou quaisquer bens públicos".



Participe de nosso grupo no WhatsApp, clicando nesse link

Entre em nosso canal do Telegram, clique neste link

Baixe nosso app no Android, clique neste link


Tópicos