MARIANNA HOLANDA

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS)

O vice-presidente da República, Hamilton Mourão (Republicanos), disse nesta quinta-feira (11) que foi um "simples erro de preenchimento de formulário" sua autodeclaração como branco ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral).

Há quatros anos, quando disputava na chapa de Bolsonaro, ele havia se declarado como índio. Hoje ele concorre ao Senado pelo Rio Grande do Sul (RS).

"Sou descendente de índios sim, e com muito orgulho. Está estampado no meu rosto e na minha pele, independentemente de qualquer formulário burocrático", disse o candidato.

"Resolveram fazer um escarcéu com um simples erro de preenchimento de um formulário", completou, mas sem dizer se tentará desfazer o equívoco.

Mourão diz ser índio e que autodeclaração como branco foi erro de preenchimento - Foto: Fabio Rodrigues/Agência BrasilMourão diz ser índio e que autodeclaração como branco foi erro de preenchimento - Foto: Fabio Rodrigues/Agência Brasil

Mourão registrou sua candidatura na última terça-feira (9). Preterido por Bolsonaro na chapa presidencial, que optou pelo ex-ministro Braga Netto como vice, ele disputará uma vaga de Senado ao lado de Onyx Lorenzoni (PL), candidato a governador no estado.

Há quatro anos, Mourão se chamou de "cacique Mourão", disse que seu pai era amazonense e sua avó "era cabocla de Humaitá".

"Eu sou pardo? Eu sou negro? Eu sou asiático? Eram as opções que eu tinha, e a quinta opção era indígena", disse o então candidato a vice na chapa de Bolsonaro.

Dias antes, em um evento em Caxias do Sul (RS), ele havia dito que o Brasil herdou a "indolência" dos indígenas e a "malandragem" dos africanos. Em seguida, negou que a declaração tinha sido preconceituosa e disse que, inclusive, era descendente de indígenas.

"Temos uma herança cultural, uma herança que tem muita gente que gosta do privilégio (...) Essa herança do privilégio é uma herança ibérica. Temos uma certa herança da indolência, que vem da cultura indígena. Eu sou indígena. Meu pai é amazonense. E a malandragem (...) é oriunda do africano", afirmou. "Então, esse é o nosso cadinho cultural. Infelizmente gostamos de mártires, líderes populistas e dos macunaímas", disse.

A região Sul, onde Mourão concorrerá neste ano, é uma das mais brancas do país.

Mas uma pesquisa divulgada no mês passado pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) mostra que, em uma década, a população brasileira teve aumento na participação de pessoas autodeclaradas pretas e pardas. Enquanto isso, a proporção de brancos diminuiu.

O registro do nome de urna de Mourão neste ano também não conta com o "general" em seu nome, diferentemente de quando disputou a Vice-Presidência da República.

O candidato a senador declarou ainda bens no valor de R$ 1.145.761,85 -duas aplicações em renda fixa (R$ 660.870,52 e R$ 219.891,33), veículo automotor (R$ 61.000) e um apartamento (R$ 204.000).

Há quatro anos, o general da reserva declarou à justiça eleitoral bens no valor de R$ 414.470,04.