Uespi lança campanha para combater preconceito

Pensando em combater a discriminação, a Universidade Estadual do Piauí lançou na última quarta-feira (10), no Campus Torquato Neto, no Pirajá em Teresina, a campanha "UESPI Contra os Preconceitos"

A discriminação contra a diversidade, seja ela de orientação sexual, raça, classes sociais e preferências religiosas é uma realidade em todo o país, principalmente dentro das universidades brasileiras.

Pensando em combater a discriminação, a Universidade Estadual do Piauí lançou na última quarta-feira (10), no Campus Torquato Neto, no Pirajá em Teresina, a campanha "UESPI Contra os Preconceitos", que deve distribuir seis mil panfletos e três mil materiais de divulgação como cartazes, outdoors e camisetas aos alunos de todos os campi da instituição.

A cerimonia de abertura aconteceu com o início da programação da 10ª Semana do Orgulho de Ser promovida pelo Grupo Matizes, onde a UESPI é parceira e sedia várias atividades até o dia 17 de setembro. O evento contou com a participação de diversas entidades e autoridades da instituição.

Para a coordenadora do Grupo, Marinalva Santana, o ambiente acadêmico deve promover ações que acolham e debatam a diversidade para que todos sejam respeitados e a UESPI tem avançado no combate à homofobia e transfobia dentro na universidade.

"Das cinco medidas de emergência que apresentamos para os gestores, duas foram implantadas. Uma deles é a adoção do nome social das travestis e transexuais em documentos acadêmicos; e a outra é esta campanha. Isso é um avanço e esperamos que as outras ações também sejam realizadas", revela.

Em seu discurso, a representante do Memorial Zumbi dos Palmares e coordenadora do Grupo Afrocultural Afoxá, Artenildes Silva, falou sobre o preconceito em relação aos negros e religiões de raiz africana e que a campanha mostra aos estudantes da universidade que devem ter respeito com a diversidade.

"Esse momento é extraordinário, pois há uma preocupação da gestão de uma instituição de ensino com o respeito às diversidades. Essa campanha garante que todas as pessoas sejam respeitadas, não importa de qual religião, raça ou orientação sexual", discursa.

O reitor Nouga Cardoso declarou que a UESPI é um lugar de qualificação profissional, mas também tem o dever de inquietar-se sobre os problemas sociais da sua população e que o preconceito deve ser combatido em todos os âmbitos, por isso, a instituição vem acatando e executando ações que garantam o respeito a todas as pessoas.

"Não foi o ponto o alto nem estaremos vivendo este momento apenas hoje no Campus Torquato Neto, nós estaremos promovendo até o final da nossa gestão eventos como esse em todos os campi da universidade, em todas as programações e movimentações da nossa reitoria. Políticas de apoio e respeito à diversidade serão feitas e esperamos criar um ambiente acadêmico que aceita a todos", aponta.

Para garantir o respeito às diversidades, a UESPI está desenvolvendo ações, pesquisas e projetos de extensão que ajudam a combater o preconceito em diversas frentes, realizando parceria com diversas entidades, como o Grupo Matizes, o Memorial Zumbi dos Palmares, a Coordenação Estadual de Enfretamento às Drogas.

Clique e curta o Portal Meio Norte no Facebook

Fonte: Rhauan Macedo