Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Acesse a versão para celular

Polícia fará reconstituição da morte de jovem durante perseguição

Jovem foi morta e a irmã baleada em barreira policial em Balsas.

Polícia fará reconstituição da morte de jovem durante perseguição
Polícia fará reconstituição da morte de jovem em barreira policial | REPRODUÇÃO
Compartilhe
Google Whatsapp

Karina Britto, de 23 anos, morreu e a irmã dela, Kamila Birtto Ferreira, foi baleada em uma barreira policial no município de Balsas, no estado do Maranhão, no dia 15 de dezembro do ano passado. As duas retornavam de um velório quando passavam por uma barreira policial, mas não pararam e tiveram o carro metralhado.

A Superintendência Estadual de Homicídios e Proteção a Pessoas (SHPP)  anunciou que fará a reconstituição do crime. O delegado Guilherme Sousa Filho informou que testemunhas já foram ouvidas e a reconstituição, segundo ele, serve para esclarecer detalhes acerca do crime. 

“A reprodução simulada é o último ato do inquérito policial. Vamos ouvir essas pessoas, vamos receber alguns laudos que ainda estão faltando - principalmente o de comparação balística das cápsulas arrecadadas no local do crime com as armas utilizadas por todos os policiais envolvidos - para que a gente possa fazer essa reprodução simulada no mesmo horário e com as mesmas condições climáticas, onde ocorreu o fato”, disse. 

Os policiais que efetuaram os tiros, que estavam sem farda, serão indiciados pelos crimes de homicídio doloso e tentativa de homicídio.“Basicamente, eles serão indiciados por homicídio doloso, mas o Ministério Público que é o titular da ação penal e somente a denúncia que vai definir em que tipo de crime eles serão acusados”, declarou. 

Segundo o delegado, imagens de câmeras de segurança estão sendo utilizadas para elucidação do caso. "O que eu posso adiantar para a sociedade maranhense é que nós já conseguimos individualizar a conduta de cada policial. Todos os policiais envolvidos na operação nós já individualizamos a conduta de cada um. Quem atirou e quem não atirou. Para individualizar essa conduta nós analisamos as câmeras de videomonitoramento de todo o percurso. Nós identificamos os componentes dessa viatura, tipo de armamento e aí descobrimos quem atirou e quem não atirou”, informou. 




Tópicos
Compartilhe
Google Whatsapp
Carregar os comentários (0)

comentários

fechar comentários
Nenhum comentário feito até o momento

veja também

Recomendamos

Localização

Definir a localização padrão

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Termos de uso

Texto

Política de privacidade

Texto