Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore

João Gabbardo afirma que "os mais ricos" se contaminam em festas

Aumento de 18% no número de internações teria ocorrido principalmente por conta de pessoas que estiveram em confraternizações

Compartilhe

O coordenador executivo do Centro de Contingência do coronavírus em São Paulo, João Gabbardo dos Reis, atribuiu hoje o aumento no número de internações em decorrência da covid-19 no estado a movimentos das classes A e B.

"Hoje pela manhã, nós tivemos uma reunião com médicos do Centro do Contingência que estão na linha de frente nesses hospitais e percebemos que pessoas com uma condição socioeconômica melhor, das classe A e Classe B, que ficaram em casa, trabalhando em casa, permaneceram mais isoladas, estão saindo, inadvertidamente", disse ele, durante entrevista à CNN Brasil.

Segundo Gabbardo, o aumento de 18% no número de internações, já divulgado pelo governador João Doria (PSDB) teria ocorrido principalmente por conta de pessoas que estiveram em confraternizações.

LEIA TAMBÉM:

- Vacina CoronaVac é segura e induz resposta imune, mostra estudo

Brasil registra 685 mortes por Covid-19 em 24h e total chega a 166.699

Senadora Kátia Abreu testa positivo para a Covid-19

Hospital Albert Eistein tem novo salto de pacientes com Covid-19

"[São pessoas que se] contaminaram em confraternizações, reuniões, festa de casamento. É exatamente nesses locais onde as pessoas bebem, estão sem máscara, conversam e ficam muito tempo em contato.", prosseguiu.

A frase vai na mesma linha do que já havia informado o secretário estadual da Saúde, Jean Gorinchteyn, de que a maior parte dos infectados é de adultos das classes A e B, que voltaram para as ruas depois da flexibilização da quarentena.

Em sua fala, Gabbardo apontou uma tendência de comportamento que explicaria parte de como a pandemia se espalhou pelo país.

''A primeira vez da epidemia [no Brasil, em março] começou com pessoas que estavam voltando de outros países, via aeroportos. Agora, o que estamos percebendo é que essas pessoas estão saindo para confraternizações. É tudo o que o vírus precisa para atacar a nossa população."

Ex-número dois do então ministro Luiz Henrique Mandetta no Ministério da Saúde, Gabbardo afirmou que autoridades que fizeram pouco caso da covid-19 devem um pedido de desculpas ao brasileiro.

João Gabbardo dos Reis é coordenador executivo do Centro de Contingência do coronavírus em São Paulo Foto: Marcelo Casal Jr.- Agência Brasil 


Tópicos
Compartilhe
Não venda minhas informações pessoais

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Podcast

Selecione seus podcasts

atualizar