Classificada para a Copa do Mundo de 2022 desde novembro do ano passado, a Seleção Brasileira ainda segue com algumas dúvidas no que diz respeito ao time de Tite. Embora invicto depois de 14 jogos disputados, o conjunto continua sem empolgar em determinadas situações e algumas posições parecem estar longe de uma definição para o Mundial do Qatar.

Na ausência de Neymar, que se recupera de uma entorse no tornozelo esquerdo, o ataque da Seleção esteve pouco inspirado e chegou ao terceiro jogo consecutivo sem balançar as redes no empate com o Equador, na última quinta. O gol brasileiro foi marcado pelo volante Casemiro. Em novembro, na vitória sobre a Colômbia, o meia Lucas Paquetá foi quem marcou.

E o ataque segue sendo um dos problemas de Tite até aqui. Com Raphinha, Vini Jr. e Matheus Cunha no onze inicial contra a La Tri, o trio pouco assustou em Quito. No banco, as opções eram Gabigol, Antony e Gabriel Jesus, que entraram no decorrer do duelo, mas também não foram bem. O último, inclusive, não balança as redes pela Seleção desde a final da Copa América 2019.

A dez meses da Copa do Mundo, Tite tem dor de cabeça para definir Seleção  - Imagem 1

Tite vai para sua segunda Copa do Mundo no comando da Seleção Brasileira (Foto: Lucas Figueiredo / CBF)

No meio-campo, a escolha de colocar Philippe Coutinho no time foi um sinal de que o novo jogador do Aston Villa tem a confiança da comissão técnica. No entanto, a estratégia por água abaixo com a expulsão de Emerson Royal antes dos 20 minutos. O camisa 11 acabou escolhido para deixar o gramado para a entrada de Daniel Alves.

Ainda no setor de criação, quem parece se firmar cada vez mais é Fred. O jogador do Manchester United mais uma vez fez grande partida, com muita visão de jogo, e mostrou que está entrosado com Casemiro. Em 2018, Fred foi ao Mundial da Rússia, mas não entrou em nenhum jogo.

O destaque negativo ficou por conta de Emerson Royal, na já citada expulsão. Enquanto Danilo, que não foi convocado por lesão, parece ser nome certo no Oriente Médio, a vaga de suplente ainda está longe de ser definida. O cartão vermelho visto pelo jogador do Tottenham joga contra, apesar de Tite dar apoio ao atleta dos Spurs na coletiva pós-jogo. 

Se Emerson Royal não aproveitou bem sua chance contra o Equador, Daniel Alves fez grande partida. Aos 38 anos, o ala mostrou que ainda segue em boa forma e está preparado para ir para sua terceira Copa do Mundo. E quem sabe brigando pela titularidade.

Ainda tentando encontrar o encaixe perfeito, a Seleção Brasileira volta a campo na próxima terça-feira, contra o Paraguai, para mais uma rodada das Eliminatórias Sul-Americanas. O confronto acontece no Mineirão, em Belo Horizonte, às 21h30 (de Brasília).