Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore
curiosidades rede meionorte blogs notícias entretenimento esportes cidades carros

Arimateia Azevedo: quebra de sigilo telefônico comprova extorsão

O jornalista já está prestando depoimento na sede da Greco, com a presença de seu advogado, e será encaminhado em seguida para o sistema prisional.

Compartilhe

A denúncia de crime de extorsão qualificada que resultou na prisão de Arimateia Azevedo, do portal AZ, e do professor da Universidade Estadual do Piauí (UESPI), Francisco de Assis Barreto, praticada contra um médico de Teresina no valor de R$ 20 mil, foi comprovada por meio da quebra de sigilos telefônicos, segundo decisão da justiça.  A ação se deu através do Grupo de Repressão ao Crime Organizado (GRECO) na manhã desta sexta-feira, 12 de junho.

Arimateia Azevedo prestou depoimento na sede da Greco, com a presença de seu advogado e foi encaminhado em seguida para o sistema prisional. “Há outras investigações em trâmite ainda, inclusive sobre falsidade de documento público. Seguiremos com as investigações com as provas que já temos”, disse o delegado Laércio Evangelista. Uma prisão foi feita no  bairro Todos os Santos e a outra no bairro Piçarreira.

O jornalista e o professor passaram por exame de corpo de delito no Instituto Médico legal (IML) no fim da manhã de hoje. Arimateia foi encaminhado ao 12° Distrito Policial de Teresina e Francisco Barreto ficará preso na Academia de Polícia Civil o Estado do Piauí (ACADEPOL-PI). 

Antes de deixar o local, o comunicador afirmou aos jornalistas, que estavam o aguardando no local para declarações, que é inocente e negou a extorsão. “Isso é canalhice. Eu não sou bandido, eu denuncio bandidos há 50 anos”, disse. Francisco Barreto deixou o local sem se manifestar à imprensa. 

Reprodução

De acordo com a decisão, por meio do  juiz Valdimir Ferreira, da Central de Inquérito da Comarca da Justiça de Teresina, que resultou nas prisões e mandados de apreensão pela Polícia Civil do Piauí, a interceptação telefônica dos investigados foi solicitada, sendo comprovada a veracidade das denúncias da vítima em desfavor dos acusados. O cruzamento de ligações da vítima e dos investigados, desde negociações iniciais, até o crime de fato, foi crucial na indicação do delito. 

Além disso, foi solicitada a relação de entrada de visitantes no prédio comercial onde é situado o consultório da vítima, comprovando que o investigado. Francisco de Assis Barreto esteve pessoalmente no local de trabalho da vítima.

VEJA A DECISÃO NA ÍNTEGRA


Segundo o coordenador do Greco, delegado Tales Gomes, a polícia civil também cumpriu mandados de busca e apreensão nos endereços residenciais dos investigados e no portal de notícias de propriedade do professor. "Por determinação judicial nós estamos impedidos de fazer qualquer manifestação acerca da vítima. A vítima, por si só, pela ocorrência propriamente dita, já está sendo muito mal tratada e uma exposição só iria prejudicar. Foi representado ao poder Judiciário para a não manifestação acerca vítima. Contra Arimatéia Azevedo e há outras investigações em curso sobre uso de documento falsificado junto a órgãos públicos a fim de receber recursos do estado. A Investigação que está em curso e ao longo dos dias teremos informações. As diligências transcorreram da melhor maneira possível", disse Tales Gomes.

Reprodução


O crime

Ainda na decisão, no dia 22 de fevereiro deste ano, a vítima e testemunha intimada prestaram depoimento na sede do Grupo de Repressão ao Crime Organizado-GRECO, onde relataram que o jornalista publicou em seu portal de notícias “PORTAL AZ”, uma matéria contendo informações a respeito de um problema ocorrido durante um procedimento cirúrgico realizado pela vítima, expondo-a de forma negativa. 

 “Afirma que, a partir da publicação dessa matéria, José de Arimatéia de Azevedo e Francisco de Assis Barreto teriam passado a extorquir a vítima para obter vantagem financeira, tendo sido a mencionada vítima obrigada a entregar uma quantia de R$20.000,00 (vinte mil reais), para que cessassem com as publicações maldosas, as quais faziam graves acusações contra a mesma”, diz trecho da decisão. 

O jornalista já havia sido preso pelo mesmo crime no ano de 2005. “O jornalista já foi preso usando essa mesma modalidade delitiva de extorsão e já responde a diversos outros inquéritos criminais por calúnia, difamação, ameaça e extorsão”, afirmou Laércio Evangelista.

Arimateia faz exame de corpo de delito no IML (Reprodução)









Tópicos
Compartilhe
Não venda minhas informações pessoais

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Podcast

Selecione seus podcasts

atualizar