Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore

Bebê espancado por casal maranhense morre em hospital de Goiânia

Segundo delegada, mãe diz que marido se irritou com o choro da filha e bateu a cabeça dela na cama.

Compartilhe

A bebê que sofreu ao menos 12 fraturas e diversas queimaduras pelo corpo morreu na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) pediátrica do Hospital Materno Infantil (HMI), na terça-feira (10). A criança era filha de um casal de maranhenses que possuem parentes em Codó. As informações são do Imirante.

A bebê, de 6 meses, deu entrada na unidade hospitalar na quarta-feira (5), com estado de saúde avaliado como gravíssimo. Apesar dos esforços da equipe médica, ela não resistiu.

Os pais estão presos suspeitos de cometer o crime contra a filha. Segundo exames realizados pela Polícia Técnico-Científica (PTC), a criança sofria espancamentos de forma "repetida e contínua".

O presidente do Conselho Tutelar de Trindade, Luiz Marcos, explicou que o corpo será encaminhado ao Instituto Médico Legal (IML) e aguarda a chegada de um parente de primeiro grau para liberar o velório e enterro.

A expectativa, segundo o conselheiro, é que a avó materna viaje do Maranhão a Goiânia para liberar o corpo, mas a família ainda tenta arrecadar dinheiro para pagar a viagem.

O caso


A mãe levou a bebê a um posto de saúde no Setor Laguna Park, em Trindade, na quinta-feira (5). De lá, a unidade encaminhou a criança ao HMI, onde a médica suspeitou de maus-tratos e chamou a polícia.

Os pais foram presos na sexta-feira (6) suspeitos, na ocasião, de tentativa de homicídio contra a criança. Na ocasião, o pai, de 24 anos, negou as acusações. Já a mulher, de 18, alegou que tentou proteger a filha, mas que o marido puxou as pernas e braços com força e bateu a cabeça da menina na madeira da cama.

"A mãe tinha o dever de garantir segurança a essa criança. Ela não fez nada. Percebemos que esse casal não tinha nenhum tipo de amor por essa criança", afirmou a delegada.

Divulgado na segunda-feira (9), o laudo assinado por um médico legista da PTC informa que a criança sofreu múltiplas lesões e hematomas na cabeça e pelo resto do corpo oriundos de agressão física, além de queimaduras em várias fases de evolução.


Tópicos
Compartilhe
Não venda minhas informações pessoais

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Podcast

Selecione seus podcasts

atualizar