mais
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore

Exames indicam presença de sangue em casa de família carbonizada em SP

Casal e filho foram encontrados mortos e carbonizados em São Bernardo do Campo. Filha das vítimas e namorada dela estão presas suspeitas do crime, mas negam envolvimento.

Exames apontaram a presença de sangue na casa da família de um piauiense, natural da cidade de Cocal, encontrada morta e carbonizada dentro de um veículo no ABC Paulista, na última terça-feira (28). O reagente químico Luminol indicou a existência de manchas de sangue humano nas escadas, roupas e máquina de lavar da residência, durante as investigações. As informações são do G1.

Os corpos do casal Romuyuki e Flaviana Gonçalves, e do filho Juan Victor, de 15 anos, foram achados queimados na Estrada do Montanhão, em São Bernardo do Campo. A filha do casal, Ana Flávia, de 25 anos, e a namorada dela, Carina Ramos, de 31, estão presas temporariamente por 30 dias por suspeita de participação no assassinato da família.

ReproduçãoReprodução

De acordo com a Polícia Civil, elas são suspeitas porque entraram em contradição nos depoimentos que deram e, além disso, câmeras de segurança mostram a entrada de saída dos carros de Ana Flávia e dos pais dela do condomínio em Santo André.

Os vídeos também gravaram Carina no local. Ela entra a pé no residencial com o rosto escondido pelo capuz da blusa que vestia. Os investigadores informaram que as namoradas passaram mais de seis horas no condomínio onde os pais e o irmão moravam, em Santo André.

Ainda de acordo com a polícia, as duas elaboraram o plano para matar a mãe, o pai de Ana Flávia e o irmão dela, e teriam contado com a ajuda de pelo menos mais três homens. Dois deles foram identificados. Seus nomes e imagens não foram divulgados. A investigação procura a arma usada para matar as três vítimas.

ReproduçãoReprodução

A motivação do crime ainda não foi esclarecida pela polícia. Em depoimentos de familiares foi informado que houve uma briga familiar por causa da transferência de um carro, que teria gerado uma discussão acalorada da família dias antes das três mortes. Ana Flávia e Carina negam o crime, segundo a defesa delas. "Elas afirmam que são inocentes e não tiveram qualquer participação no crime", falou o advogado Lucas Domingos, que defende Ana Flávia e Carina. “A gente está colocando mais advogados aí para estar acompanhando o caso, e formar esse corpo de defesa para cuidar do caso delas”.

Apesar disso, outros parentes da família Gonçalves protestaram na delegacia que investiga o caso. Eles pediram ‘justiça’. As duas foram interrogadas por quatro horas. Elas haviam chegado algemadas. Segundo a polícia, elas ficaram caladas na maior parte do tempo, mas depois mudaram alguns pontos das declarações anteriores. E voltaram a alegar inocência.

Segundo a polícia, Ana Flávia e Carina sustentam que o casal morto devia a um agiota. A pedido da polícia, a investigação do caso é feita sobre segredo de Justiça. Na sexta-feira (31) policiais disseram que as duas suspeitas tinham sido indiciadas pelo triplo homicídio da família Gonçalves, mas neste sábado (1°) voltaram atrás e informaram que elas ainda não foram responsabilizadas criminalmente pelos assassinatos.

Uma testemunha contou à polícia que viu um homem desconhecido na casa e também que o carro da família, Jeep Compass azul, foi manobrado de marcha à ré na garagem. Segundo ela, o veículo foi carregado com algo pesado.

Reprodução/Redes SociaisReprodução/Redes Sociais

A investigação quer saber se as vítimas foram mortas dentro da casa e se foram colocadas no porta-malas do carro da família, que depois foi incendiado. Policias também vão usar o luminol no veículo para tentar encontrar manchas de sangue nele.

O porteiro disse à polícia que quem dirigia o carro era a mãe de Ana Flávia. A investigação também aponta que o Jeep da família teria sido utilizado para carregar os corpos de Romuyuki e Juan. E que Flaviana teria sido obrigada pelos criminosos a dirigir, sendo assassinada no local onde os três corpos foram encontrados.

Os investigadores encontraram a casa revirada e disseram que, quem matou também levou embora eletrodomésticos, joias e dinheiro _R$ 8 mil em moeda nacional e estrangeira. Também foi levada uma arma antiga quebrada, que pertenceu ao avô da suspeita, Ana Flávia.

Causa das mortes

O laudo necroscópico preliminar indica que, mãe, pai e filho foram mortos com golpes na cabeça, semelhante a um pedaço de madeira. Em seguida, os corpos foram queimados dentro do carro na Estrada do Montanhão. Familiares das vítimas disseram à polícia que as namoradas Ana Flávia e Carina tinha um relacionamento conturbado com o casal Romuyuki Gonçalves e Flaviana. 

Carina, inclusive, teria sido proibida de frequentar a casa dos sogros. Ela namora Ana Flávia há dois anos e as duas viviam separadas da família, também em Santo André. O pai de Ana Flávia não aceitava o relacionamento entre as duas. O motivo não seria homofobia, mas desavenças com Carina.

Tópicos

comentários

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Desbloquear Notificações

Como desbloquear notificações

Na barra de endereço, clique no cadeado e em Notificações escolha a opção permitir, como na imagem abaixo

desbloqueio de notificação push

Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail