Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore
Jornal Agora

Morro do Chapéu: Assaltante insistiu em manter família refém

Compartilhe

Um assalto ocorrido dentro de uma residência na zona rural do município de Morro do Chapéu do Piauí terminou com duas pessoas baleadas na noite deste domingo (04/06), O caso aconteceu na localidade Cacimbão, situado a 4km da sede do município.

O acusado, identificado como José Francisco, vulgo ‘cabeção’, invadiu a casa de um homem chamado Antônio Severiano e anunciou assalto, mantendo sua família refém. O genro da vitima, Antônio Maquiel, tinha acabado de chegar de uma seresta e segundo relatos reagiu ao assalto e iniciou uma luta corporal com o assaltante. 

O gerente de Policiamento do Interior da Polícia Civil, delegado Everton Ferrer, durante entrevista ao vivo no Agora da Rede Meio Norte, detalhou como tudo aconteceu. 

 class=

“Esse sujeito teria invadido uma casa que fica ao lado de um bar e nessa ação malsucedida dele a Polícia Militar foi acionada e chegou ao local de maneira rápida. Ele [assaltante] resistiu, mantendo a família como refém e depois de intensa negociação, aproximadamente três horas de negociação, teria essa versão de reação por parte de uma das vítimas, e durante luta corporal o acusado teria efetuado tiro que atingiu o rosto da vítima”, relatou.

Segundo o delegado, o assaltante também foi baleado. “A Polícia Militar entrou de imediato e ele foi atingido com tiro na orelha. Após isso foi conduzido para Delegacia de Esperantina, já que o delegado de Luzilândia, responsável pela área, estava em Morro do Chapéu e foi até o local colher levantamentos, ouvir testemunhas e dar toda a dinâmica de tudo que ocorreu desse latrocínio tentado”, acrescentou.

Everton Ferrer explica que José Francisco já é conhecido da polícia. “As informações preliminares dão conta que o assaltante é de Morro do Chapéu e já teria passagem, sim. Então, conhecia a rotina da família e teria ido ao bar para pegar o apurado do final de semana. Nós ainda estamos nas oitivas, iniciando a investigação e temos que ter cuidado. No prazo de 10 dias nós vamos dar todas as respostas para sociedade”, finalizou.

 class=




Tópicos
Compartilhe

veja também

Não venda minhas informações pessoais

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Podcast

Selecione seus podcasts

atualizar