FMS comemora a redução da mortalidade materna em 72,5%

A diminuição dos óbitos é resultado de várias ações em Teresina

Hoje, 28 de maio, é o Dia Nacional de Redução da Mortalidade Materna. Teresina vem alcançando bons resultados nessa área. Em dois anos, a Fundação Municipal de Saúde (FMS) registrou a redução da mortalidade materna em 72,5%. A diminuição é um reflexo de uma série de ações que acontecem na atenção básica de saúde em Teresina.

 “Nossa rede vem trabalhando para dar dignidade às mães e às gestantes e para isso desenvolveu um projeto que está dando bons resultados e que objetiva garantir um atendimento completo e humanizado no período da gestação e no pós-parto”, disse Luciano Nunes, presidente da FMS.

Nas Unidades Básicas de Saúde (UBS) as mulheres fazem todo o pré-natal, com a realização de todas as consultas e exames. E com a implantação da Ficha de Acolhimento e Classificação de Risco, um protocolo é utilizado para acolher as gestantes e classificar os riscos de cada gestação, na intenção de evitar aborto, complicações na gravidez e no parto, bem como a mortalidade neonatal.

Dados indicam que Teresina passou de 13 óbitos maternos em 2012 para 3 em 2014. “A FMS busca melhorar ainda mais o atendimento à gestante com diversas ações: implantamos a vacina contra a coqueluche, o teste rápido de gravidez (a mulher pode diagnosticar em 10 minutos se está grávida e já começar o pré-natal na UBS) e a inserção da Eletroforese de Hemoglobina nos exames de pré-natal (procedimento que faz o diagnóstico de doença falciforme)”, explicou Smithanny Barros da Silva, gerente de Atenção Básica da FMS.

 Ela enfatiza que as equipes do Programa Saúde da Família têm papel importante na redução da mortalidade materna, com o acompanhamento constante das gestantes durante a gravidez e no pós-parto. Quando a parturiente tem alta, a primeira consulta do bebê já fica agendada na Unidade Básica de Saúde mais próxima da casa da mãe. “Estamos articulando o Plano de Vinculação da Gestante, que visa distribuir cartilhas informativas e ilustrativas às gestantes para esclarecê-las ainda mais sobre o acesso delas à rede de saúde, desde o pré-natal até a maternidade onde será realizado o parto”, destaca.

 A FMS mantém parceria com as maternidades visando um acolhimento completo às gestantes, com a indicação prévia do local do parto, o que garante tranquilidade à família da parturiente. Caso seja comprovada alguma situação de risco, a paciente é referenciada para o ambulatório de alto risco da Maternidade Dona Evangelina Rosa, que fará o acompanhamento. À medida que as pacientes passam de alto risco para leve são contra referenciadas para o acompanhamento das equipes de saúde da família novamente.


CUIDADOS NA GRAVIDEZ

 O obstetra Ribamar Santos, diretor da Regional de Saúde Leste/Sudeste da Fundação Municipal de Saúde, explica que toda gestante deve fazer exames clínico geral para detectar a presença de alguma patologia associada (problemas cardíacos, renais, hepáticos) que possa prejudicar a gravidez. Além desse, deve fazer um exame ginecológico completo, o exame preventivo de câncer de colo de útero, uma ultrassonografia dos órgãos genitais e, dependendo da idade, uma ultrassonografia e/ou mamografia para estudar as condições das mamas.

São pedidos também exame de urina tipo I, porque a infecção urinária pode provocar aborto e óbito fetal, exame parasitológico de fezes, grupo sanguíneo e RH para verificar a compatibilidade do sangue e hemograma completo porque, se for detectada anemia ou qualquer outra enfermidade associada ao sangue, é preciso tratar antes que a mulher engravide.

Outro exame importante é o de glicose, visto que o diabetes pode complicar muito a gravidez, especialmente no último trimestre.

Ainda fazem parte dessa avaliação inicial as reações sorológicas para sífilis, AIDS, toxoplasmose, rubéola, citomegalovírus, pesquisa de hepatites e, se necessário, o exame de Mantoux ou PPD para tuberculose.

Fonte: Assessoria