Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore
curiosidades rede meionorte blogs notícias entretenimento esportes cidades carros

Webcam e máscaras: como a indústria pornô teve que se adaptar à Covid

A produção de conteúdo adulto teve que mudar em tempos de pandemia e, acredite: após anos de crise, ela conseguiu crescer.

Slide 8 de 8
Compartilhe

Perfil do público

Veronica, do Câmera Privê, conta que, pós-quarentena, notou uma diferença no perfil do público que quer conversar com seus profissionais pelo chat. Muitos não buscam apenas sexo, mas também alguém para desabafar. 

"Nesse período em que as pessoas estão mais sozinhas e passando por situações de grande estresse e medo, a busca pelas transmissões ao vivo na webcam tem sido cada vez maior. O que temos percebido é um crescimento de usuários que não buscam apenas chats para fins eróticos, mas também para ter uma companhia para desabafar, para encontrar apoio nesse momento difícil. Muitas modelos relatam que tem atendido mais usuários que buscam, além do consumo de conteúdo adulto, uma companhia para colocar a conversa em dia, por exemplo. Ligam a webcam e querem que a modelo converse sobre a vida, sobre a situação política do país, sobre aquele série do momento ou situações do trabalho."

Mário reforça que essa conexão com o seu público realmente aumentou com o isolamento social. "Mesmo antes da pandemia, essa questão de trabalhar com sexo sempre gerou uma conexão com seguidores e fãs, como um terapeuta sexual. Elas acabam trazendo questões, como a esposa que vem falar da relação com o marido; o cara que vem perguntar como ter uma performance melhor; outro que pergunta como pode atrair parceiros e parceiras... Enfim, isso sempre existiu. Com a pandemia, houve uma acentuação do ânimo das pessoas, que passaram a ficar mais "a flor da pele" – não pela falta de sexo, mais pelo pânico gerado pela impossibilidade do encontro, de não poder estar com outras pessoas, do que pela falta do encontro em si. O diálogo com essas pessoas passou a girar em torno de como seria isso. Passei a notar uma certa instabilidade no humor e na sexualidade delas. Era um misto de sentimentos que iam do 'preciso encontrar pessoas', 'preciso me relacionar', 'preciso fazer sexo' ao 'não posso', 'tenho receio de fazer encontros'." 

Tópicos
Compartilhe
Não venda minhas informações pessoais

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Podcast

Selecione seus podcasts

atualizar