Uma operadora de caixa de 20 anos foi demitida por justa causa após dizer a uma faxineira afrodescendente, de 61 anos, que o ex-ditador da Alemanha Adolf Hitler era uma “pessoa extremamente inteligente, porque tudo que era preto ele mandava matar”.

A mulher entrou na Justiça do Trabalho para reivindicar seus direitos, uma vez que, demitida por justa causa, não tem acesso ao seguro-desemprego, por exemplo. No entanto, o juiz Orlando Losi Coutinho Mendes, do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região (TRT-2), julgou a demanda totalmente improcedente. A decisão foi tomada em 26 de dezembro passado.

Mulher é demitida após elogiar Adolf Hitler “por matar pretos” - Foto: ReproduçãoMulher é demitida após elogiar Adolf Hitler “por matar pretos” - Foto: Reprodução

A operadora de caixa foi contratada em outubro de 2019 por uma farmácia em São Bernardo do Campo, Região Metropolitana de São Paulo (SP). As ofensas ocorreram quase dois anos depois, em setembro do ano passado. O Metrópoles teve acesso aos autos.

Uma testemunha relatou, em depoimento, que a operadora disse à vítima – que não será identificada nesta reportagem – que ela tinha sorte, pois, “se fosse presidente, determinaria o extermínio de pessoas com idade superior a 50 anos”. Na mesma ocasião, a mulher disse que Hitler era uma pessoa extremamente inteligente, “porque tudo que era preto ele mandava matar”.

Em outra ocasião na mesma semana, a faxineira disse à mulher que era “preconceituosa”, pois não gostava de negros e velhos. A operadora respondeu, porém, que não era preconceito, mas que apenas gostaria que “todos os negros e velhos morressem logo”.

A mulher foi demitida por justa causa uma semana depois, sob alegação de ter praticado ato lesivo da honra ou da boa fama.