Carro que provocou acidente na Miguel Rosa estaria a 101km

O laudo foi apresentado na sede da Perícia Criminal.

Na noite da última quinta-feira (07/07), cerca de 13 peritos do Instituto de Criminalística realizaram a reconstituição do acidente ocorrido no dia 26 de junho na avenida Miguel Rosa que vitimou Bruno Queiroz e Júnior Araújo, membro e idealizado do coletivo ‘Salve Rainha’, deixando ferido também o jornalista Jader Damasceno.

Os profissionais realizaram testes de velocidade no sentido de apresentar o laudo principalmente no que diz respeito a real velocidade do veículo Corolla conduzido por Moaci Moura na hora da colisão. Nesta sexta-feira (15), o laudo foi apresentado na sede da Perícia Criminal que constatou que o veículo de Moaci apresentou a velocidade máxima de 101,3km/h.

Ainda segundo os peritos, o veículo Fusca estava em uma velocidade entre 18,59km/h a 22,73km/h, enquanto o de Moaci estava entre 97,3km/h a 101,3km/h.

Acidente vitimou membros do Salve Rainha (Crédito: Reprodução)
Acidente vitimou membros do Salve Rainha (Crédito: Reprodução)

“Fizemos simulações no dia 7 de julho, o que quer dizer que foi a pouco mais de uma semana com o intuito de tentar dirimir todas as dúvidas sobre o caso. Sobre a velocidade nós apresentamos por três metodologias diferentes. A primeira metodologia a gente marca pontos na via, medimos distâncias e intervalos de tempos, fazemos cálculos de velocidade como é feito tradicionalmente nos outros lugares só que aqui nós acrescentamos que é o processo de passar com o veiculo para tentar validar aquela metodologia. A segunda foi através de video análise, a gente tem um software que foi pela primeira vez usado em 2013, até então nunca tinha sido usado para esse tipo de analise, onde ele observa vários tipos de imagens. E a terceira metodologia nós tivemos o apoio dos colegas da Universidade Federal do Piauí que serviu como colaboração para tentarmos validar as outras duas”, explicou o perito Raulison Ibiapina.

O inspetor Juassan Wilker foi o que esteve presente no local do acidente no dia que aconteceu a tragédia e declarou que o levantamento pericial foi feito da forma mais categórica possível: “Quando eu cheguei no local eu já constatei a colisão transversal entre dois veículos. Com o laudo nós vimos que o sinal estava aberto para o Fusca no sentido leste/oeste. Ao convergirem a esquerda foi interceptado pelo Corolla que seguiu em frente e aconteceu o triste desfecho. O levantamento pericial foi feito da forma mais categórica possível e o laudo vai ser entregue no Instituto de Criminalística na segunda-feira”, declarou.

Laudo realizado pela perícia (Crédito: Reprodução)
Laudo realizado pela perícia (Crédito: Reprodução)


Fonte: Mayara Dias