MA:Acusado diz ter praticado 'ato sexual' com filha de Sarney Neto

Secretário de segurança: "Houve violência de natureza sexual".

Lucas Leite Ribeiro Porto, de 37 anos, que se encontra preso acusado de  assassinar Mariana Menezes de Araújo Costa Pinto, de 33 anos, filha do ex-deputado estadual Sarney Neto, disse durante o segundo depoimento que praticou relações sexuais com a vítima, segundo informou o secretário de Segurança do Maranhão, Jerfferson Portela.

"Houve violência de natureza sexual. Esta foi a manifestação dele. Negou no primeiro momento a autoria do crime, mas declinou agora. Contudo, não muda nada na ação da polícia", afirmou ao acrescentar que ocorrido no último dia 13. 

Para o secretário é fundamental a reconstituição da cena de todos os acontecimentos para que se esclareça o que de fato aconteceu dentro do apartamento de Mariana Costa. A reconstituição também serviria, segundo Portela, para reforçar o embasamento do processo e consequentemente a pena do acusado.

Lucas Leite Ribeiro Porto
Lucas Leite Ribeiro Porto


Acusado é agredido em Pedrinhas

Lucas está preso desde o último domingo (13), no Complexo Penitenciário de Pedrinhas.Diante da grande repercussão do caso em todo o Brasil, a sua presença no local já lhe rendeu agressões de outros presos.

Para manter a integridade física do réu confesso, Lucas Porto mantém-se isolado na unidade onde está preso. O laudo cadavérico da vítima deve ser concluído na próxima terça-feira (22), onde ficará ou não comprovada a violência sexual. De acordo com a polícia, as investigações possivelmente serão encerradas até o fim da próxima semana.

Confissão não altera investigação

Segundo Jefferson Portela, a confissão do acusado não muda a investigação. “A confissão dele não muda nada para nós. Portanto, confessado a autoria, a motivação dada por ele, se amanhã não for esta a verdadeira motivação será ele que está dando uma informação não verdadeira, porque a investigação vai continuar”, disse.

Acusado consolou família da vítima

Segundo relatos de familiares e amigos, o suspeito ainda chegou a ir ao hospital em que Mariana estava e, ao saber da morte, consolou a família. Porto é herdeiro do grupo Planta Engenharia e já tinha sido fichado, em 2007, por porte ilegal de arma, estelionato e falsa comunicação de crime. Na época, ele teria forjado o roubo de veículos para conseguir ressarcimento do seguro.



Fonte: Com informações do O Imparcial