A morte de um bebê de 11 meses de vida, em decorrência de complicações da Covid-19, no último domingo (10), no Rio de Janeiro, reforça a necessidade das crianças de cinco a 11 anos serem vacinadas. O alerta é do médico infectologista Rodrigo Carneiro, subsecretário de Atenção Básica, Vigilância e Promoção da Saúde.

A criança apresentou os primeiros sintomas no dia 23 de junho. Ela teve febre, tosse, dispneia, desconforto respiratório e queda de saturação.No dia 27 de junho esteve no hospital, onde ficou internada e submetida ao teste de antígeno, que deu negativo.

Image captionImage caption

Resultado positivo

O exame rt-PCR, feito no dia 28 de junho no HFM, foi encaminhado ao Laboratório Central Noel Nutels (Lacen), no Rio de Janeiro; “o resultado foi positivo para Covid-19; a menina não tinha comorbidade”. Rodrigo Carneiro explica que foi feito contato com a família para informar quanto ao resultado para a Covid-19.

“Conversamos com o pai da criança e nos colocamos à disposição para qualquer esclarecimento”, afirma o médico, orientando quanto à necessidade de vacinar as crianças: “para aquelas que têm entre três e quatro anos, 11 meses, 29 dias, cujo uso da vacina CoronaVac foi autorizado emergencialmente pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa)”.