SEÇÕES

PF aponta como governo Bolsonaro buscou vigiar rivais com núcleo paralelo

A existência de uma “Abin paralela” foi apontada, em março de 2020, pelo ex-secretário geral da Presidência Gustavo Bebianno

PF aponta como governo Bolsonaro buscou vigiar rivais com núcleo paralelo | Reprodução
FACEBOOK WHATSAPP TWITTER TELEGRAM MESSENGER

As operações recentes envolvendo o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) e seus aliados mais próximos trouxeram à tona indícios de que o antigo governo lançou mão de uma estrutura paralela de inteligência com monitoramento de viagens de autoridades, infiltração de agentes e uso de programa espião. Todo esse aparato, segundo apontam investigações da Polícia Federal, foi operado para espionar adversários políticos e minar o processo eleitoral em 2022, com o objetivo de manter o ex-mandatário no poder.

De acordo com informações reveladas pelo Jornal O Globo, esse núcleo de inteligência paralela, conforme revelam os inquéritos, tinha duas frentes de atuação. A primeira envolvia uma atividade mais informal desempenhada por auxiliares próximos do ex-presidente, responsáveis por levantar informações clandestinas para ajudar na “consumação do golpe de Estado”. A segunda era encabeçada pela Agência Brasileira de Inteligência (Abin) e pelo Gabinete de Segurança Institucional (GSI), que coletavam dados do interesse pessoal de Bolsonaro sobre adversários.

A existência de uma “Abin paralela” foi apontada, em março de 2020, pelo ex-secretário geral da Presidência Gustavo Bebianno, que rompeu com Bolsonaro logo no início do governo. Em entrevista ao “Roda Viva”, ele afirmou que o vereador Carlos Bolsonaro, filho do ex-presidente, não confiava na agência de Inteligência. A desconfiança foi abordada pelo próprio Bolsonaro em uma reunião ministerial em abril daquele ano.

Leia Mais

— Sistemas de informações, o meu funciona. O meu particular funciona. Os que tem oficialmente, desinforma — disse ele, na ocasião.

A defesa do ex-presidente disse que ele não “atuou ou conspirou contra a Constituição e o estado democrático de direito”. A Abin e o GSI não se manifestaram, mas, anteriormente, já informaram que colaboram com as apurações.

Um dos alvos centrais do núcleo de inteligência paralela era o ministro Alexandre de Moraes, presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e integrante do Supremo Tribunal Federal (STF). O magistrado era responsável por conduzir o processo de votação em 2022 e pelos principais inquéritos envolvendo o ex-presidente e seu entorno.



Participe de nosso grupo no WhatsApp, clicando nesse link

Entre em nosso canal do Telegram, clique neste link

Baixe nosso app no Android, clique neste link


Tópicos