A 12ª edição do FestLuso 2022 está com uma programação diversificada, nesta sexta-feira, 26, que vai desde a apresentação de peças teatrais até o lançamento de livros. Pela manhã, às 9h, o espetáculo “O Pega Sol”, do grupo Harém de Teatro, será apresentado, no CMEI Joel Mendes. Mais tarde, às 9h30, acontecem as “Rodas de Conversas: Relatos e Processos, no Luxor Hotel. 

A programação da noite começa com a peça Viejos (Velhos), com Sergio Mercurio, da Argentina, no Theatro 4 de Setembro. Logo depois, às 21h, o ator paulista Vinícius Piedade e o grupo MUSGO, de Portugal, apresentam a peça “Provavelmente Saramago”, no Teatro Estação (Espaço Trilhos).

Ainda na sexta-feira, às 22h, a programação conta com o lançamento de dois livros “Segredos da Ampulheta”, do piauiense Manoel Ciríaco e “5 Peças”, do paulista Vinícius Piedade, ambos no Espaço Trilhos. 

“O Pega Sol” é uma história cheia de outras histórias para crianças e jovens e adultos de todas as idades e retrata a vida de um menino que sonha pegar o sol com a mão. Poesia, filosofia, cultura popular e acontecimentos históricos são componentes desse espetáculo que mapeia os dias de sol e seca, as noites azuis do sertão e o sertão virando azul de mar.

O Pega Sol é uma das peças quer serã apresentada nesta sexta-feira. (Foto: Divulgação)O Pega Sol é uma das peças quer serã apresentada nesta sexta-feira. (Foto: Divulgação)

“Viejos (Velhos)”. Na Argentina, desde meninos, as crianças chamam as mães de “Velha”. Os pais brincam com isto, dizendo que os ofende; argumentam que são velhos os trapos, mas gostam porque sabem que essa expressão pejorativa está cheia de ternura. Sabem-no pelo tango. Os velhos da peça são personagens idosos, que mostram-se como tal; não têm reparos, resistiram ao tempo do seu jeito. São capazes de coisas extraordinárias.

Provavelmente Saramago” é um solo em torno de um ator, encenador e dramaturgo – Paulo Reis, de seu nome – que ensaia a composição de um espetáculo sobre o Nobel da Literatura de Língua Portuguesa. A cada nova tentativa de adaptação cênica de um romance de José Saramago, Paulo revê-se nas suas ideias e tramas, cruzando ficção e realidade num labiríntico jogo de espelhos. 

Amêsa ou a Canção do Desespero, grupo da Angola, també é outra tração do festival. (Foto: Divulgação)Amêsa ou a Canção do Desespero, grupo da Angola, també é outra tração do festival. (Foto: Divulgação)

A 12ª edição do Festival de Teatro Lusófono (FestLuso) 2022 segue até dia 28 de agosto, com vasta programação de espetáculos falantes da língua portuguesa, que reúnem companhias piauienses, de Pernambuco, São Paulo, Portugal, Moçambique, Guiné Bissau, Cabo Verde, de Angola e a grande novidade, a presença da Argentina, e passa a incluir outra derivação do latim.

As apresentações serão gratuitas. Para ter acesso a cada apresentação, o público deve chegar até meia hora antes para ter acesso à senha. No caso das oficinas, serão permitidas até 25 pessoas por turma.