Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore
curiosidades rede meionorte blogs notícias entretenimento esportes cidades carros
Blog Primeira Mão

“Reforma tem que ser aprovada independente de cargos”, afirma Ciro


Por Sávia Barreto


“[Alexandre] Baldy em qualquer função seria um grande quadro, mas é muita especulação”. A frase é do senador Ciro Nogueira (Progressistas), em conversa exclusiva com o blog Primeira Mão durante posse na Associação Piauiense Industrial na noite da última segunda-feira, 13. A informação que circula em Brasília é que o ex-ministro das Cidades, Alexandre Baldy, ligado a Nogueira, voltaria ao ministério com a reforma do presidente Jair Bolsonaro, que vai transformar o ministério de Desenvolvimento Regional em dois: Integração e Cidades, como era antes.

“A reforma tem que ser aprovada independente, de ter ou não ter cargos. O Progressistas é a favor dessa reforma desde que ela venha a proteger aqueles que mais precisam, os mais pobres, exigindo mais sacrifício daqueles que ganham mais”, ressaltou Ciro. No Congresso, o Progressistas é um dos partidos do Centrão, que não apoia o presidente, mas também não é oposição e tem sido o fiel da balança nas votações importantes.

Sobre o secretariado do governador Wellington Dias (PT), Nogueira fez uma ressalva: demorou muito. “Governador fez suas escolhas, desejamos que a reforma tenha sucesso e pessoas entrem para promover o desenvolvimento do nosso estado. O Governo demorou um pouco para efetuar a reforma, acho que ela deveria ter sido feita na virada do ano, mas foi decisão do governador e temos que apoiar suas escolhas”.

Ele disse também que as discussões se o ministro da Justiça, ex-juiz Sérgio Moro, vai ser indicado pelo presidente na próxima vaga a ser aberta no Supremo Tribunal Federal, são “desnecessárias”.  “Esse tipo de discussão é desnecessária, porque não existe vaga para o Supremo agora. Se a idade for mantida, só teremos vaga no próximo ano”, argumentou Ciro, em referência à possibilidade de votação da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) da Bengala, que aumentaria de 75 anos para 80 anos a idade de aposentadoria compulsória no Judicário, permitindo que o decano Celso de Mello permaneça no cargo durante todo o governo Bolsonaro (pelas regras atuais ele tem que deixar o cargo no ano que vem, quando completa 75 anos). Ou seja, sem indicação do presidente para o STF, caso o Congresso assim avalie.


Tópicos
Compartilhe
Google Whatsapp

veja também

Localização

Definir a localização padrão

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Fique por dentro

Receba notícias quentinhas diretamente no seu whatsapp

Continuar

Falta pouco, agora escolha as categorias que deseja receber notícias

Aperte (ctrl + clique) para selecionar vários
Pronto!

Agora você passará a receber novidades diretamente no seu whatsapp.

Termos de uso

Texto

Política de privacidade

Texto

×