Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore
curiosidades rede meionorte blogs notícias entretenimento esportes cidades carros

Ayrton Senna conquista sua última vitória no GP da Austrália

No dia dia 7 de novembro de 1993, o brasileiro Ayrton Senna conquistava sua última vitória na Fórmula 1, vencendo o GP da Austrália, e encerrando, assim, um ciclo de 41 vitórias que alcançou ao longo de sua consagrada carreira. Nesse GP australiano, Ayrton Senna também marcava despedida da McLaren e via concretizar-se a última corrida de Alain Prost.

Era o capítulo final da maior rivalidade de todos os tempos. E também o pontapé inicial para um relacionamento amistoso entre os dois titãs do automobilismo, o que infelizmente terminaria com o acidente fatal do brasileiro em 1994.

Quando Senna e Prost chegaram a Adelaide, o campeonato já estava decidido em favor do francês, que já havia anunciado sua aposentadoria. O brasileiro, por sua vez, já havia confirmado sua ida para a Williams em 1994, justamente na vaga deixada por Prost. 

De qualquer forma, apesar de o título já estar nas mãos do novo tetracampeão, a motivação de ambos era grande. Afinal, seria o último embate entre eles numa pista de Fórmula 1, e, claro, Prost queria se despedir das pistas com vitória, e Senna queria deixar a McLaren em alta.

Menos de 1 anos depois de sua última vitória nas pistas, Ayrton Senna da Silva morreria, aos 34 anos, durante o Grande Prêmio de San Marino, em Ímola, na Itália, em 1º de maio de 1994, num fim de semana marcado por acidentes na Fórmula-1. O piloto austríaco Roland Ratzenberger falecera durante os treinos da véspera. E, antes disso, o brasileiro Rubens Barrichello sofrera um acidente na curva Tamburello, mesmo local no qual Senna, a 300 quilômetros por hora, perderia o controle de seu carro, chocando-se violentamente contra um muro.

Senna iniciou sua carreira aos 13 anos, competindo nas provas de kart. Foi campeão sul-americano e brasileiro. Em 1981, ingressou na Fórmula Ford, onde também acumulou títulos, e, em 1983, foi campeão de Fórmula-3. No ano seguinte, com 24 anos, começou a competir na Fórmula-1. Em dez anos, foram 41 vitórias e três campeonatos mundiais – 1988, 1990 e 1991 –, todos pela McLaren. A temporada de 1994 era a primeira que piloto disputava pela equipe Williams.


A velocidade e a habilidade na chuva garantiram atuações antológicas nas pistas que o fazem ser considerado por muitos o melhor piloto de Fórmula-1 de todos os tempos. “O Ayrton era um espetáculo”, recorda-se o narrador Galvão Bueno, “Tivemos vários ídolos em todos os esportes. Mas o Ayrton ultrapassou todos os parâmetros estabelecidos para um ídolo esportivo. Ele era mais que um ídolo, era um herói brasileiro. Ele era o Ayrton Senna do Brasil. Um dia, o Mário Jorge Guimarães, meu velho companheiro de tantos e tantos anos na Globo, disse: ‘Você tem noção do que fez?’ Eu perguntei: ‘Não, o que foi?’ Ele respondeu: ‘Você mudou o nome do cara. Ele não é mais o Ayrton Senna, é o Ayrton Senna do Brasil.’ E ele virou realmente o Ayrton Senna do Brasil. Ele era o nosso herói, ele era o brasileiro que dava certo.”

A morte de Ayrton Senna colocou em evidência a questão da segurança dos carros e dos circuitos automobilísticos. Após muitas investigações, a perícia concluiu que o piloto brasileiro perdera o controle do carro devido à quebra da coluna de direção. Os responsáveis técnicos da Williams – incluindo Frank Williams, dono da escuderia – foram indiciados por homicídio culposo, negligência e imprudência em novembro de 1996. Um ano depois, no entanto, todos foram absolvidos.



Tópicos
Compartilhe

veja também

Não venda minhas informações pessoais

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Podcast

Selecione seus podcasts

atualizar