mais

Dez anos após morte, encontrado livro inacabado de Mário Benedetti

Mario Benedetti deixou um legado formidável como poeta, escritor e ensaísta uruguaio.

Há exatos doze anos, em 17 de Maio de 2009, o mundo perdia um dos seus mais brilhantes representantes da literatura, o poeta, cronista, escritor e jornalista Mário Benedetti, qje também foi um notável ativista político, por muitos anos banido de seu país, o Uruguai, forçado a longo período de exílio no exterior, decorrência das posições contrárias e do combate que travou contra a ditadura que tomou conta dfe sua pátria por muito tempo. Benedetti nasceu em Paso de Los Toros em 14 de Setembro de 1920 e morreu em Montevidéo.

Mario Benedetti deixou um legado formidável como poeta, escritor e ensaísta uruguaio. Integrante da Geração de 45, a qual pertencem também Idea Vilariño e Juan Carlos Onetti, entre outros. Considerado um dos principais autores uruguaios, ele iniciou a carreira literária em 1949 e ficou famoso em 1956, ao publicar “Poemas de Oficina”, uma de suas obras mais conhecidas. Benedetti escreveu mais de 80 livros de poesia, romances, contos e ensaios, assim como roteiros para cinema.

O autor tinha um estado de saúde bastante delicado e estava em sua casa, na capital uruguaia, quando morreu. A primeira vez que ficou enfermo gravemente foi entre janeiro e fevereiro de 2008, após sofrer uma enterocolite que fez com que ficasse desidratado. Já em março ele foi internado com problemas respiratórios, enquanto a terceira vez se deu em maio do ano passado por causa de um quadro clínico instável geral. Após a última vez em que Benedetti foi hospitalizado, de 24 de abril até 6 de maio, o escritor recebeu alta e voltou para casa, após 12 dias internado pelo agravamento de uma doença intestinal crônica.

Dez anos após morte, encontrado livro inacabado de Mário BenedettiDez anos após morte, encontrado livro inacabado de Mário Benedetti

Recentemente, cerca de 10 anos após sua morte, foi descoberto um romance inacabado de Mario Benedetti, encontrado há poucos dias em um arquivo de Montevidéu, anunciou a fundação que leva o nome do famoso escritor uruguaio, nesta segunda-feira, no centenário de seu nascimento.

"É um romance inacabado que estava no arquivo onde se encontram vários documentos, cartas, originais e outros de Mario, que está em permanente processo de estudo e análise", disse à AFP Roberto López Belloso, coordenador da Fundação Benedetti.

A inesperada descoberta, ocorrida há poucos "dias", decorreu por acaso depois que, a pedido de jornalistas, membros da fundação revisaram seu arquivo em busca de cartas que Benedetti trocou com outro escritor.

Filho de Brenno Benedetti e Matilde Farugia, Mario Benedetti nasceu em 14 de Setembro de 1920, em Paso de Los Toros, Tacuarembó, Uruguai.

Dez anos após morte, encontrado livro inacabado de Mário BenedettiDez anos após morte, encontrado livro inacabado de Mário Benedetti

Aos quatro anos de idade sua família muda-se para Montevidéu. Inicia seus estudos no Celógio Alemão de Montevidéu, onde fica até 1933. Em 1934 ingressa na Escuela Raumsólica de Logosofía. Permanece apenas um ano e em seguida parte para o Liceu Miranda. Mas por problemas financeiros, acaba por seguir seus estudos de maneira auto-didata. Desde os quatorze anos trabalha na empresa Will L. Smith S.A., da Argentina.

Em 1938 muda-se para Buenos Aires, Argentina, onde permanece até 1941.

Em 1945 passa a integrar a equipe de redação do semanário Marcha, de Montevidéu – onde permaneceu até 1974, ano em que o semanário é fechado pelo governo de Juan María Bordaberry. Em 1953 publica Quién De Nosostros. Em 1954 é nomeado diretor literário do semanário.

Em 1946 casa-se com Luz López Alegre. Em 1948 dirige a revista literária Marginalia e publica o volume de ensaios Peripecias y Novela.

Em 1949 torna-se membro do conselho de redação da revista literária Número, uma das revistas mais destacadas na época. Participa ativamente no movimento contra o Tratado Militar com os EUA, sua primeira ação como militante. Ainda nesse ano, ganha o Prêmio do Ministério de Instrução Pública, por sua primeira antologia de contos, Esta Mañana.

Em 1960 publica La Tregua. Romance levado às telas de cinema pelo diretor Sergio Rénan. O filme foi indicado ao Oscar de Melhor Filme Estrangeiro de 1974, perdendo a estatueta para Amarcord, do italiano Fellini.

Em 1964 trabalha como crítico de teatro e co-diretor da página literária semanal Al Pie de Las Letras, do diário La Mañana. Colabora como humorista na revista Peloduro. Escreve crítica de cinema na Tribuna Popular.

De 1968 a 1971 foi diretor do Centro de Pesquisas Literárias da Casa de las Américas, de Havana, Cuba, o qual foi membro fundador.

Em 1971 participa ativamente da vida política uruguaia, como membro do Movimiento 26 de Marzo. É nomeado diretor do Departamento de Literatura Hispanoamericana na Faculdade de Humanidades e Ciencias da Universidade da República, de Montevidéu.

Sob o Golpe de Estado de 27 de Junho de 1973, Mario Benedetti renuncia ao cargo na Universidade. Por suas posições políticas, deve deixar o Uruguai, partindo para o exílio em Buenos Aires, Argentina. Posteriormente, exila-se no Peru, onde foi detido e deportado, indo imediatamente, em 1976, para Cuba.

Volta ao Uruguai em 1983, inciando o autodenominado período de desexílio, motivo de muitas obras. Em 1986 recebe o Prêmio Jristo Botev da Bulgária, por sua obra poética e ensaística.

Desde os anos 50 até hoje a obra de Mario Benedetti foi contemplada com muitos prêmios e homenagens, dentre eles o título de Doutor Honoris Causa, em 1997, pela Universidade de Alicante, Espanha.

Dez anos após morte, encontrado livro inacabado de Mário BenedettiDez anos após morte, encontrado livro inacabado de Mário Benedetti

Depois do falecimento de sua tão estimada esposa Luz López, em Abril de 2006, vítima de Alzheimer, Mario Benedetti se mudou definitivamente para sua residência no bairro Central de Montevidéu. Em função dessa mudança, dôou parte de sua biblioteca pessoal ao Centro de Estudos IberoAmericanos Mario Benedetti da Universidade de Alicante, Espanha.

Seus livros foram traduzidos para mais 20 idiomas e é considerado um autor do primeiro plano da literatura latino-americana contemporânea.

Em homenagem a esse imenso poeta, deixo aqui, para deleite de todos, três dos seus mais admirados poemas:

POR QUE CANTAMOS

Se cada hora vem com sua morte

se o tempo é um covil de ladrões

os ares já não são tão bons ares

e a vida é nada mais que um alvo móvel

você perguntará por que cantamos

se nossos bravos ficam sem abraço

a pátria está morrendo de tristeza

e o coração do homem se fez cacos

antes mesmo de explodir a vergonha

você perguntará por que cantamos

se estamos longe como um horizonte

se lá ficaram árvores e céu

se cada noite é sempre alguma ausência

e cada despertar um desencontro

você perguntará por que cantamos

cantamos porque o rio está soando

e quando soa o rio / soa o rio

cantamos porque o cruel não tem nome

embora tenha nome seu destino

FAÇAMOS UM TRATO

Companheira

você sabe

que pode contar

comigo

não até dois

ou até dez

senão contar

comigo

se alguma vez

percebe

que a olho nos olhos

e um brilho de amor

reconheces nos meus

não alerte seus fuzis

nem pense que deliro

apesar do brilho

ou talvez porque existe

você pode contar

comigo

se outras vezes

me encontra

intratável sem motivo

não pense que fraquejara

igual pode contar

comigo

porém façamos um trato

eu quisera contar

com você

é tão lindo

saber que você existe

um se sente vivo

e quando digo isto

quero dizer contar

embora seja até dois

embora seja até cinco

não já para que acuda

pressurosa em meu auxílio

senão para saber

a ciência certa

que você sabe que pode

conta comigo.

A PONTE

Para cruzá-la ou não cruzá-la

eis a ponte

na outra margem alguém me espera

com um pêssego e um país

trago comigo oferendas desusadas

entre elas um guarda-chuva de umbigo de madeira

um livro com os pânicos em branco

e um violão que não sei abraçar

venho com as faces da insônia

os lenços do mar e das pazes

os tímidos cartazes da dor

as liturgias do beijo e da sombra

nunca trouxe tanta coisa

nunca vim com tão pouco

eis a ponte

para cruzá-la ou não cruzá-la

e eu vou cruzar

sem prevenções

na outra margem alguém me espera

com um pêssego e um país

Tópicos

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Desbloquear Notificações

Como desbloquear notificações

Na barra de endereço, clique no cadeado e em Notificações escolha a opção permitir, como na imagem abaixo

desbloqueio de notificação push

Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail