Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore
curiosidades rede meionorte blogs notícias entretenimento esportes cidades carros

Força Aérea ataca manifestantes e mata 364 pessoas em Buenos Aires

Em 16 de junho de 1955, Buenos Aires, capital da Argentina, viveu um dos dias mais sangrentas e trágicos de sua história, quando pilotos das Armadas lançaram várias bombas contra uma multidão que se manifestava em defesa de Juan Domingo Peron, o popular presidente do País, que sofria grande oposição das elites econômicas e políticas locais.

Os ataques feitos por pilotos da Armada Argentina contra manifestantes desarmados, indefesos, matou 364 pessoas e deixou mais de 800 feridos. Os militares se juntavam àqueles que queriam tirar Peron do poder. Enquanto os pilotos, no ar, jogavam bombas e matavam populares que se manifestavam, ao mesmo tempo, em terra, soldados tentavam por em prática um golpe contra o governo, ação que foi reprimida pelas forças leais.

A Argentina vivia sob o peronismo, que é como conhecemos o período da história argentina em que Juan Domingo Perón foi o presidente desse país. O fenômeno do peronismo aconteceu especificamente entre 1946 e 1955 e entre 1973 e 1974. Essa tragédia aconteceu exatamente no primeiro período primeiro período do peronismo, que aconteceu entre 1946-55.

O líder do peronismo, Juan Domingo Perón, é considerado como um dos grandes símbolos do populismo na América Latina. Juan Domingo Perón governou a Argentina em dois mandatos, entre 1946 e 1955, e teve seu segundo mandato interrompido por um golpe militar que forçou seu exílio do país.

O regime de Perón também é muito comparado com o governo de Getúlio Vargas, presidente do Brasil entre 1930 e 1945 e entre 1951 e 1954. Existem muitas semelhanças entre os dois regimes, mas é importante frisar que são fenômenos políticos que surgiram como resultado do contexto político de cada um dos países envolvidos. Os dois governos, porém, são encarados como governos populistas.


Tópicos
Compartilhe

veja também

Não venda minhas informações pessoais

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Podcast

Selecione seus podcasts

atualizar