Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore
curiosidades rede meionorte blogs notícias entretenimento esportes cidades carros

Jonh Lennon é assassinado por um fanático em Nova York

Foi na noite de 8 de dezembro de 1980,  que o ex-Beatle Jonh Lennon, o mais importante e famoso fundador e líder do maior grupo musical do século XX foi assassinado em Nova York. Lennon voltava para seu apartamento em Nova York, quando foi baleado cinco vezes por Mark David Chapman, a quem havia dado um autógrafo na tarde daquele dia.

Mesmo tendo sido socorrido por um carro de polícia, morreu ao chegar no Hospital Roosevelt. Quatro dos cinco tiros disparados por um fã obcecado, atingiram Jonh Lennon. 

O crime ocorreu em Nova York, na frente do edifício Dakota, onde Lennon morava com a esposa, Yoko Ono, e o filho, Sean. Mark Chapman, o assassino, revelou depois que sentia raiva por Lennon pedir ao público que “imaginasse nenhuma posse” (na canção “Imagine”) enquanto vivia uma vida milionária. Fã ardoroso do livro O Apanhador no Campo de Centeio, Chapman se projetava no protagonista, Holden Caulfield, sentindo-se uma pessoa pura no meio de gente “falsa” – como Lennon teria se tornado. Ele foi condenado à prisão perpétua com a possibilidade de condicional após 20 anos. Desde 2000, já pediu a liberdade sete vezes (é preciso esperar dois anos entre cada pedido), mas permanece atrás das grades.

Pouco antes de morrer, Lennon havia lançado um álbum e planejava turnê.

Chapman, o assassino, montou vigília na calçada do edifício Dakota e chegou a cumprimentar Sean, filho do Beatle, que chegava com a babá. Durante a tarde, Lennon e Yoko receberam a fotógrafa Annie Leibovitz, que realizou o último ensaio do casal, e concederam uma entrevista a um jornalista.

Acompanhado pela esposa, o músico deixou o prédio novamente às 17 horas, rumo ao estúdio Record Plant. Com uma capa do disco Double Fantasy sob o braço, Chapman abordou a vítima, que lhe concedeu um autógrafo: “John Lennon. Dezembro, 1980”. A cena foi registrada por um fotógrafo

Às 22h50, o casal retornou. Lennon desceu da limusine depois de Yoko e estava alguns passos atrás dela quando Chapman disparou seu revólver. Das cinco balas, duas atingiram as costas do cantor e outras duas o seu ombro esquerdo. Chapman foi desarmado pelo porteiro do prédio.

A polícia chegou ao local e encontrou Lennon nos braços da mulher. A aorta do cantor havia sido ferida e ele sangrava profusamente, então os policiais decidiram levá-lo até o hospital. Chapman não fugiu: aguardou os policiais sentado na calçada, lendo sua cópia de O Apanhador no Campo de Centeio

No hospital, após tentativas inúteis de reanimação, John Lennon foi oficialmente declarado morto às 23h15. Yoko pediu aos médicos que não divulgassem a notícia até que chegasse em casa: ela temia que Sean ficasse sabendo pela TV. Não houve funeral e Lennon foi cremado dois dias depois.


Tópicos
Compartilhe
Google Whatsapp

veja também

Não venda minhas informações pessoais

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se