Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore
curiosidades rede meionorte blogs notícias entretenimento esportes cidades carros

Obama toma posse como o primeiro negro na presidência dos EUA

Foi nesta data, há 10 anos, em 20 de Janeiro de 2010, que Barack Obama assume a Presidência dos Estados Unidos da América, tornando-se o primeiro negro a chegar ao poder na nação mais poderosa do mundo, e também o um dos países do planeta em que a descriminação contra a população negra foi tão intensa e duradoura ao longo da história.

Líder popular influente, de discurso vigoroso e fluente, Obama tornou-se um dos mais importantes líderes da política norte-americana. Ao deixar a Presidência, em 2017, sua popularidade atestada pelas pesquisas de oponião pública, era de 61%.

Não seria para menos: desde que se tornou o primeiro negro a ocupar o cargo de liderança mais cobiçado do mundo, Obama se consagrou como o verdadeiro popstar da política internacional.

“Ele tem o poder de aproximar as pessoas neste contexto de diversidade, conflitos e dificuldades da história contemporânea”, aponta Sidney Ferreira Leite, especialista em Relações Internacionais e Pró-reitor do Centro Universitário Belas Artes de São Paulo.

Dentro e fora dos Estados Unidos, as razões para o prestígio do ex-presidente envolvem carisma, capacidade de comunicação e visão acerca de temas atuais, conforme explica o especialista.

— Em primeiro lugar, ele usa uma linguagem simples, firme e direta, que foge do discurso rebuscado de muitos políticos. Mais importante que isso, Obama é uma figura comum, com hábitos e gostos e das pessoas médias. Ele não se coloca em um pedestal e tem fortíssimas habilidades sociais. A imagem que temos é de que ele é um cara com quem se pode encontrar na esquina, sentar em um banco e bater um papo.

Junto desses fatores, Leite destaca o fato de que o ex-presidente fala um inglês de fácil compreensão e defende questões de abrangência global — como a importância da educação e da saúde públicas.

“É muito difícil encontrar todas essas características em um mesmo político. São diferenciais importantes não só para figuras públicas, como para qualquer ser humano. Um papel como o de Obama — de alguém que gera empatia e defende valores admirados globalmente — é vital para o cenário da política internacional, em que vemos uma forte ascensão do nacionalismo”, pondera o professor.

Logo em seu primeiro pronunciamento depois de ser eleito o 44º presidente norte-americano, Obama já surpreendeu críticos e apoiadores ao abordar a questão racial nos EUA de um jeito bem diferente do esperado. É o que diz Bruno Dallari, professor de linguística na UFPR (Universidade Federal do Paraná) e especialista em análise do discurso.

— O discurso racial nos EUA sempre foi e continua sendo muito antagônico — seja da parte dos brancos, seja da parte dos negros. O que foi novo é que Obama, sendo negro, não reafirmou posturas de confronto, o tempo todo ele ressaltou que governava para todos os americanos e não prioritariamente para os negros. No primeiro discurso após ser eleito, por exemplo, todos esperavam uma alusão a Martin Luther King e, em vez disso, ele contou a história de Ann Nixon Cooper, uma senhora negra de 106 anos que havia registrado seu voto em Atlanta. Ele evitou caracterizar sua vitória como uma espécie de revanche.


Tópicos
Compartilhe
Google Whatsapp

veja também

Não venda minhas informações pessoais

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Podcast

Selecione seus podcasts

atualizar